Cimed pode conquistar Superliga Masculina neste sábado

Com apenas dez meses de existência, o Cimed pode se tornar campeão da Superliga Masculina de Vôlei se derrotar o Telemig Celular/Minas. A partida acontece às 10h no ginásio Arena Multiuso, em São José (SC), com transmissão da TV Globo. O time catarinense lidera por 2 a 1 o playoff melhor-de-cinco jogos da decisão da competição.Para quem montou um time ?com um orçamento limitado?, disputar uma final de Superliga logo na primeira temporada é surpreendente. Quando formou o grupo, com recursos do patrocinador, o Cimed, e apoio do Governo de Santa Catarina e da Prefeitura de Florianópolis, o técnico Renan Dal Zotto esperava ficar entre os quatro melhores da Superliga.A equipe que tem atuado como titular é quase todo paulista: Bob, Bruno Zanuto, Dirceu, Sidão e Denison. O levantador Bruno Rezende, filho do técnico Bernardinho, nasceu no Rio, mas passou a infância e a adolescência em Campinas, interior de São Paulo. No ponta Dirceu, de 30 anos, de Mogi-Mirim, e no meio-de-rede Sidão, de 23 anos, de São Caetano do Sul, estão os destaques paulistas do time de Renan.?Temos jovens muito bons, como Sidão e Bruno. Mas o Dirceu é a experiência dotime. Douglas, que também é experiente, infelizmente está machucado.?Para Renan, no entanto, o grande diferencial do elenco é saber ?que é limitado?. ?Não é um time de estrelas, de craques.? Por isso, precisa trabalhar muito no dia-a-dia. ?Eles confiam que o trabalho tem de ser bem-feito no treinamento.?São Paulo é, sem dúvida, grande produtor de atletas para o vôlei nacional, acentua o técnico. Mas, observa, esse não é o parâmetro para determinar quem mais forma ou quem mais exporta craques. ?O vôlei profissional não tem pátria. O mercado é que é determinante?, afirma Renan, da geração medalha de prata na Olimpíada de Los Angeles (1984).Segundo o treinador, o interior de São Paulo e Estados como Rio Grande do Sul e Paraná, principalmente, sempre foram importantes celeiros de talentos para o vôlei. Mas os clubes com boa infra-estrutura ainda têm importância fundamental no desenvolvimento dos atletas. Muito do desenvolvimento de jovens jogadores passa pelo Minas Tênis, de Belo Horizonte, e pelo Banespa, de São Paulo, por exemplo.?Mas talentos vêm de todo o Brasil. É só dar oportunidade para essa molecada aparecer. Tiago Soares, o melhor juvenil do mundo, foi formado no Grêmio Náutico União?, diz o gaúcho Renan, de 45 anos, que voltou a ser técnico esta temporada, depois de seis anos longe das quadras, atuando como gerente de vôlei. Antes disso, havia sido técnico por outros seis anos.O Cimed mantém, em parceria com a Prefeitura de Florianópolis, times nas categorias infantil e infanto-juvenil, além do adulto.

Agencia Estado,

21 de abril de 2006 | 17h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.