Reprodução
Reprodução

Com Thaísa, turco Eczacibasi é bicampeão mundial de vôlei; Rexona fica em 5º

Nas Filipinas, clube bateu o Pome Casalmaggiore, da Itália, por 3 sets a 2

Estadão Conteúdo

23 Outubro 2016 | 11h40

Se o Rexona-Sesc Rio decepcionou e ficou longe da disputa pelo título, ao menos uma brasileira pôde celebrar a conquista do Mundial de Clubes Feminino de Vôlei neste domingo. Reforçado pela meio de rede Thaísa, o turco Eczacibasi venceu a emocionante decisão diante do Pome Casalmaggiore, da Itália, nas Filipinas, e ficou com o troféu.

Em uma disputada final na cidade de Manila, o Eczacibasi venceu por 3 sets a 2, com parciais de 25/19, 20/25, 25/19, 22/25 e 15/11, e se tornou a primeira equipe a conquistar o torneio duas vezes seguidas. No ano passado, em Zurique, já havia erguido o troféu ao vencer o russo Dínamo Krasnodar na final.

Para triunfar neste domingo, o time turco contou com o auxílio de Thaísa, autora de 10 pontos, sendo cinco de ataque. A principal responsável pela conquista, no entanto, foi a russa Tatiana Kosheleva, que marcou 23 pontos. Pelo lado italiano, destaque para Samanta Fabris, com 22.

Se Thaísa comemorou, o vôlei brasileiro teve sua pior participação na história do torneio. Depois de sequer ir às semifinais, o Rexona-Sesc Rio ao menos encerrou a campanha com vitória neste domingo e ficou com a quinta colocação ao derrotar o Hisamitsu Springs, do Japão, por 3 sets a 2, com parciais de 20/25, 25/22, 25/15, 30/32 e 15/7.

As duas derrotas na fase inicial foram determinantes para o destino do Rio, que decepcionou. Monique foi a principal pontuadora da vitória deste domingo, com 21 pontos, seguida por Juciely, com 20, sendo nove de bloqueio.

Na decisão do terceiro lugar, quem levou a melhor foi o Vakifbank Istanbul, que passou pelo Volero Zurich por 3 sets a 1, com parciais de 25/14, 21/25, 25/22 e 25/11. A última colocação ficou com o PSL, que caiu neste domingo diante do Bangkok Class por 3 sets a 0: 25/16, 25/23 e 25/20.

Mais conteúdo sobre:
vôlei thaisa Eczacibasi Filipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.