FIVB
FIVB

Conquista do bronze da Liga das Nações é 'questão de honra', diz Renan Dal Zotto

Brasil vai disputar o terceiro lugar contra os Estados Unidos, após derrota para Rússia

Estadão Conteúdo

07 Julho 2018 | 16h26

Depois de ser atropelada pela Rússia por 3 sets a 0 neste sábado, pelas semifinais da Liga das Nações, a seleção brasileira masculina de vôlei vai buscar a medalha de bronze por "questão de honra", neste domingo, às 12 horas (de Brasília), contra os Estados Unidos, segundo o técnico Renan Dal Zotto.

+ Brasil segue com três duplas masculinas na etapa de Portugal do vôlei de praia

"Temos a oportunidade de mudar essa história. O bronze é uma questão de honra e vamos lutar para tentar buscar e ficar no pódio", disse o treinador brasileiro, após a vexatória derrota para os russos na quadra montada no estádio Pierre Mauroy, em Lille, na França.

O Brasil não se encontrou no jogo e fez uma partida abaixo da crítica, mas Renan Dal Zotto preferiu elogiar a qualidade do adversário. "Tivemos pontos opostos neste jogo. A Rússia fazendo uma partida excepcional, com o time completo, inclusive quatro jogadores que não estiveram nas primeiras etapas, e nós fizemos um jogo que não é para esquecer e, sim, rever várias vezes e buscar melhorar".

Maior pontuador do time, com oito pontos, o oposto Wallace avaliou a derrota na mesma linha do técnico. "Hoje (sábado) não fizemos nem perto do nosso melhor jogo e o deles foi praticamente perfeito. Eles jogaram sempre na frente e ditaram o ritmo do jogo, coisa que não conseguimos fazer em momento algum", lamentou o atacante.

Para o central Lucão, a seleção pecou no ataque. "A seleção da Rússia fez uma partida excepcional, como há tempos eu não via eles jogarem. Eles conseguiram ter um contra-ataque muito efetivo, o que nem é uma característica do jogo deles, e nós não tivemos tanta paciência para reconstruir".

O levantador William ressaltou que, mais do que as cobranças externas pelo resultado negativo, os próprios jogadores estão insatisfeitos. "A gente queria muito ter chegado a essa final, queria ter jogado melhor, e essa é uma cobrança natural entre os atletas que estão aqui. Agora vamos buscar a medalha de bronze e melhorar. Temos que pensar sempre em evoluir como time".

A final da Liga das Nações será disputada também neste domingo, às 15h45 (de Brasília), em Lille, entre a Rússia e a França, que joga em casa e bateu os Estados Unidos na outra semifinal por 3 sets a 2.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.