Convocado, William nega polêmica com Bernardinho

Convocado para a seleção brasileira masculina de vôlei mais uma vez, o levantador William Arjona não quer saber de polêmica com Bernardinho. No início do mês, o treinador disse que o jogador do Cruzeiro - destaque das últimas edições da Superliga - havia recusado seu chamado para atuar na Liga Mundial, no ano passado, e que não tinha divulgado a informação para não criar uma saia-justa.

AMANDA ROMANELLI, Agência Estado

27 de abril de 2013 | 14h05

Há três anos eleito o melhor levantador da Superliga, William diz que sua relação com Bernardinho não está estremecida. "Não há problema nenhum, tanto que ele me convocou novamente. O Bernardinho entendeu o que tinha acontecido e estou com muita vontade de trabalhar com ele", disse o jogador.

William, de fato, não atendeu a convocação, mesmo sendo um ano olímpico. O jogador afirmou ter passado por problemas físicos e optou por se tratar. "Tinha dores no joelho que me incomodavam demais. Eu precisava parar. Ir para a seleção com 50% (das condições) não faz parte da minha filosofia. Foi uma opção. Agora estou tranquilo, recuperado, e por isso aceitei a convocação de prontidão", contou.

O jogador se apresenta na segunda-feira em Saquarema (RJ) com outros dois atletas: o atacante Wallace, seu companheiro no Cruzeiro, e o líbero Alan, que atuou na última Superliga pelo extinto Campinas. Agora, são 23 jogadores sob o comando do auxiliar Rubinho, já que Bernardinho está no comando do Unilever para a disputa no Sul-Americano de Clubes, até dia 5 de maio, no Peru.

MUDANÇAS - Com o início do ciclo olímpico para os Jogos do Rio, em 2016, Bernardinho precisa encontrar outro levantador para trabalhar com Bruno, titular da seleção. Para a Olimpíada de Londres em 2012, o treinador optou por Marlon e, na reta final para o torneio, voltou a chamar o veterano Ricardinho.

Até agora, três jovens atletas apareceram na lista da seleção. Murilo Radke, Danilo Gelinski e Felipe Quaresma já estão em Saquarema. O técnico, que agora convocou William, também deve voltar a chamar Rapha, do time italiano Trentino - ambos têm 33 anos.

"A disputa vai ser acirrada, mas estou indo para a seleção para fazer o meu melhor. Espero ter continuidade e vestir a camisa da seleção o ciclo olímpico todo", avisou William.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiWilliam ArjonaBernardinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.