Cruzeiro despacha Minas e está na final da Superliga

Pelo quarto ano seguido, o Sada/Cruzeiro está na final da Superliga Masculina de Vôlei. Dono da melhor campanha da fase de classificação, o atual campeão mundial não teve nenhuma dificuldades de passar nas semifinais pelo arquirrival Vivo/Minas, maior campeão da história. A segunda partida do playoff, neste sábado, na casa do Minas, foi novamente decidida em apenas três sets, com parciais de 21/17, 21/17 e 21/16. O rival da final sai do jogo entre Sesi, de São Paulo, e Vôlei Brasil Kirin, de Campinas.

AE, Agência Estado

29 de março de 2014 | 11h56

Na fase de classificação, de 22 jogos, o Cruzeiro só perdeu quatro. A equipe mineira ficou à frente do Sesi (que só perdeu três) porque venceu mais jogos por 3 sets a 0 ou 3 sets a 1. Pelo regulamento da Superliga, esse tipo de vitória vale três pontos, enquanto triunfo por 3 a 2 vale dois - o perdedor recebe um.

Assim, já está definido que o Cruzeiro será mandante do jogo único da final, novidade na atual edição da Superliga. Até o ano passado a decisão acontecia em ginásio escolhido pela CBV (Confederação Brasileira de Vôlei), ainda que o time de melhor campanha tivesse que atuar na casa do rival.

Nos playoffs, o Cruzeiro confirmou o favoritismo. Eliminou o Moda/Maringá em duas vitórias tranquilas nas quartas de final, perdendo apenas um set. Já o Minas passou, também em dois jogos, pelo RJ Vôlei - o time carioca, atual campeão, perdeu o patrocínio de Eike Batista durante a competição e teve seu elenco desmanchado. No primeiro jogo da semifinal, em Contagem, casa do Cruzeiro, vitória tranquila por 21/11, 21/18 e 21/16.

Na outra semifinal, o favorito é o Sesi, que ganhou o primeiro jogo, em casa, por 3 sets a 1, com parciais de 30/28, 17/21, 21/14 e 22/20. A segunda partida é só no próximo sábado, no Ginásio do Taquaral, em Campinas. Caso necessário, um terceiro jogo está previsto para 7 de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.