Cruzeiro supera Sesi e fatura tricampeonato da Superliga masculina

Equipe conquista virada e leva o título no ginásio Mineirinho

Estadão Conteúdo

12 de abril de 2015 | 12h41

Com uma grande virada, o Sada Cruzeiro confirmou neste domingo o domínio no vôlei masculino brasileiro. O time mineiro aproveitou a vantagem de jogar em casa, diante da sua empolgada torcida, para superar o Sesi-SP de virada, pelo placar de 3 sets a 1, com parciais de 21/25, 25/19, 27/25 e 25/19, e se sagrar tricampeão da Superliga, no ginásio Mineirinho, em Belo Horizonte.

Em sua quinta final consecutiva, o Sada Cruzeiro manteve a supremacia no vôlei já que era o atual campeão, havia sido o vice em 2012/2013 e vencedor pela primeira vez na temporada 2011/2012. Neste domingo, o time mineiro e o paulista desempataram o confronto direto em finais. O Sesi foi campeão em 2010/2011, seu primeiro título, e vice no ano passado.

A final deste domingo começou em ritmo forte. Empurrado pela torcida, o Sada Cruzeiro tentou surpreender nos primeiros pontos, mas o Sesi, atento, respondeu à altura e o duelo foi equilibrado. Até que a equipe paulista passou a se destacar no bloqueio e abriu 16/11. Com baixo rendimento no saque, o time mineiro cedia espaço e viu o rival fechar em 25/21.

A segunda parcial também teve equilíbrio no início. O Sada Cruzeiro melhorou o rendimento nos principais fundamentos, como o saque, e cresceu na partida. Fez 12/08 e pressionou o rival. O Sesi respondeu ao empatar em 12/12. Mas o time da casa voltou a abrir vantagem e empatou o jogo ao fazer 25/19. Era o que a torcida queria para incendiar de vez a partida.

O Sesi liderou durante a maior parte do terceiro set. E chegou a ter 22/19 na reta final da parcial. Mas, novamente, o Sada Cruzeiro renasceu na partida e igualou tudo. Salvou até set point, empatando em 24/24. Em seguida, virou o marcador e venceu mais um set, ficando mais perto do título.

Cada vez mais embalado, o time mineiro esteve em vantagem durante todo o quarto e decisivo set. E, com pontos importantes de Éder e Leal, fez 14/10, depois 22/16, fechando com mais um 25/19 e selando o tricampeonato.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiSuperliga masculinaSesiCruzeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.