Divulgação
Divulgação

Cruzeiro vence o clássico mineiro e vai à final da Superliga

Atual campeão bate Minas e aguarda Taubaté ou Sesi na decisão

O ESTADO DE S. PAULO

30 Março 2015 | 20h33

O Sada/Cruzeiro é o primeiro time classificado para a final da Superliga Masculina de Vôlei e terá o direito de mandar em Minas Gerais a partida única da decisão. Nesta segunda-feira, o atual campeão fez 3 sets a 0 (25/21, 25/11 e 25/19) no seu maior rival, o Minas Tênis Clube, fechou a série semifinal em 2 a 0 e se garantiu na final pela quinta temporada seguida.

Projeto mais sólido do vôlei masculino no Brasil, o Sada disputou, neste ano, a sua oitava semifinal seguida da Superliga. Desde 2011, a equipe chega sempre à final, tendo conquistado o título das temporadas 2011/12 e 2013/14. Em ambas as ocasiões, venceu o Minas na semifinal.

O regulamento da Superliga desta temporada garante que a equipe de melhor campanha na fase de classificação tenha o direito de receber no seu Estado a partida única da final. O Sada sobrou na primeira fase, com 19 vitórias e três derrotas. O Minas havia sido o quarto melhor da fase de classificação.

Na outra semifinal jogam Funvic/Taubaté e Sesi, respectivamente o segundo e terceiro melhores times da fase de classificação. Na primeira partida, o Taubaté, atual campeão paulista, ganhou em casa por 3 a 1. O segundo jogo da série será nesta terça-feira, no ginásio do Sesi, na Vila Leopoldina, em São Paulo, às 20 horas, com transmissão do SporTV. Caso seja necessária, a terceira partida será no Vale do Paraíba, domingo.

Sesi e Cruzeiro já decidiram duas vezes a Superliga. Em 2010/2011, o time paulista venceu. Na temporada passada, entretanto, o Cruzeiro levou a melhor, repetindo o resultado da semifinal de 2012/2013. O Funvic/Taubaté, por sua vez, chega à semifinal pela primeira vez, depois de forte investimento para esta temporada.

Mais conteúdo sobre:
vôlei Superliga Masculina de Vôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.