Divulgação/ FIVB
Divulgação/ FIVB

Cubano naturalizado polonês, Wilfredo León marca 13 aces e quebra recordes na Liga das Nações

Pontuação ajuda seleção polonesa a conquistar vitória por 3 sets a 1 sobre a Sérvia

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2021 | 21h35

Wilfredo León é um dos grandes destaques do vôlei mundial. Neste sábado, o cubano naturalizado polonês marcou 13 aces na vitória da Polônia sobre a Sérvia, por 3 sets a 1, com parciais de 26/24, 25/19, 21/25 e 25/15. O número representa um recorde no histórico da disputa da Liga das Nações.

Em um de seus pontos, a bola alcançou a velocidade de 135,6 km/h, a maior já registrada na competição. A força que impõe em seus saques "viagem" praticamente impede que os adversários consigam a defesa ou amortecer a bola para armar nova jogada. O ace é um saque que resulta imediatamente em ponto, sem permitir que a outra equipe recepcione ou dê continuidade à jogada.

León nasceu em Cuba em 1993. Atuou pela seleção local entre 2008 e 2013, onde conquistou o vice-campeonato mundial na Itália, em 2011, e um terceiro lugar na Liga Mundial de 2012. No ano seguinte, foi desligado da seleção cuabana após se mudar para a Rússia. Em 2019, consegue a naturalização polonesa - nacionalidade de sua esposa - e passa a defender a nova seleção.

A Polônia é uma das principais seleções e ostenta o título de atual bicampeã mundial, conquistando os troféus em 2014 e 2018. Para os Jogos Olímpicos de Tóquio, é tida como uma das favoritas ao pódio e tem reafirmado sua posição com o bom desempenho neste início de Liga das Nações. São dois jogos e duas vitória. Na estreia, a seleção polonesa aplicou 3 sets a 0 sobre a Itália, que joga em casa. O próximo compromisso é neste domingo, diante da Eslovênia.

Na Liga das Nações, cada seleção fará 15 partidas, enfrentando todas as equipes que compõem o torneio. A Polônia, de Wilfredo León, joga com o Brasil apenas na terceira semana. O duelo está previamente agendado para 11 de junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.