Luiz Pires|Fotojump
Luiz Pires|Fotojump

Dani Lins se diz renovada e evita projetar futuro na seleção brasileira

Levantadora se sente fortalecida após queda precoce nos Jogos Olímpicos

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2016 | 12h12

Pouco menos de um mês depois da eliminação da seleção feminina de vôlei nas quartas de final dos Jogos Olímpicos, a levantadora Dani Lins reencontrou a tranquilidade. Com o apoio das companheiras do Vôlei Nestlé e do técnico Luizomar de Moura, a jogadora se diz renovada e preparada para a temporada.

"Fui muito bem recebida, bem acolhida. Consegui me recuperar rápido devido às mensagens de força. O que trago de experiência é que a gente tem de lutar até o fim, mesmo se não conseguir tem de ter na cabeça que deu seu máximo", afirmou. E garantiu: "Venho fortalecida, com espírito novo. É uma equipe jovem, vi que o clima está muito bom, vim com a cabeça boa."

No clube, a liderança de Carol Albuquerque, campeã olímpica em Pequim-2008, tem sido importante no retorno de Dani para o time de Osasco. "A Carol teve um papel importante, tem comandado bem a nossa equipe, faz com que a Dani chegue e consiga ir se adequando. A Dani está tranquila, tem uma vida fora da quadra bem estabilizada também", afirmou o técnico Luizomar.

Apesar da serenidade, a jogadora não esconde que ficou bastante abalada com a queda precoce no Maracanãzinho. Sem dormir na noite da eliminação, voltou para casa com um casal de amigos às 6 horas da manhã do dia seguinte e não segurou o choro ao reencontrar o marido Sidão, central do Sesi. O casal tirou alguns dias de folga e viajou para a Disney, na companhia de Adenízia e do namorado.

Apesar da "semana mágica" nos Estados Unidos, não se desligou completamente do vôlei e, vez ou outra, a jogadora reviveu na memória alguns lances da quadra. "Deitava e imaginava momentos do jogo. O Sidão perguntava o que eu tinha e me dizia: 'Eu sei que é difícil. Mas tenta esquecer um pouco.' Ele tentava me deixar sempre para cima. E ninguém melhor do que ele para saber tudo o que passei", contou.

"Cérebro" da seleção brasileira, Dani Lins admite que a pressão foi grande durante os Jogos do Rio. A tensão lhe rendeu até consequências físicas. "É um estresse muito grande. Meu cabelo estava caindo muito na Olimpíada, acho que por nervosismo e ansiedade." 

Enquanto jogadoras como Fabiana e Sheilla deram a carreira na equipe nacional como encerrada, a levantadora prefere deixar o futuro em aberto. "Está ainda em estudo, gostaria de continuar mais um ciclo se meu físico deixar, se meu psicológico deixar, se me convocarem, depende muito de como vou estar e se vou conseguir mais quatro anos. Gostaria de continuar, se isso for possível", explicou. 

Em sua terceira temporada consecutiva com a camisa do Vôlei Nestlé, Dani promete se dedicar ao clube e à família. "Tem de descansar um pouco de seleção, curtir o Sidão, minha cachorrinha nova, o time. Mais para frente, em abril ou maio, começo a pensar nisso", projetou. A maternidade é outro assunto que será discutido em breve. "A gente sonha em aumentar nossa família, sou mãezona, vamos ver como vai ser na Superliga, ano que vem, a gente tem de planejar direitinho."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.