William Lucas/Inovafoto/CBV
William Lucas/Inovafoto/CBV

Decisivos para triunfo, Cachopa e Alan destacam força do elenco do Brasil

Atletas saíram do banco e foram os maiores pontuadores da vitória sobre a Alemanha

Redação, Estadão Conteúdo

23 de junho de 2019 | 10h02

A vitória por 3 sets a 2 do Brasil sobre a Alemanha em Cuiabá, a décima em 11 jogos na Liga das Nações, foi difícil, mas serviu, principalmente, para dar confiança a alguns jogadores que não estão entre os titulares. Casos do levantador Fernando Cachopa e do oposto Alan, que saíram do banco e foram decisivos para o triunfo.

O técnico Renan Dal Zotto aproveitou a partida para rodar o elenco e ficou satisfeito com o que viu, apesar da dificuldade de vencer os alemães. Alan entrou no segundo set para ser o maior pontuador da seleção brasileira, com 17 acertos, e Cachopa ganhou mais chances que Bruninho e teve contribuição importante no tie-break. Ambos mudaram o jogo a favor do Brasil.

"Quem saiu do banco conseguiu mudar a cara do jogo e isso é extremamente importante. Eu e o Cachopa não somos tão conhecidos internacionalmente, conseguimos jogar mais soltos e isso dificulta um pouco para o adversário, que nos conhece pouco", explicou Alan, jogador do Sesi-SP.

"Qualquer jogador que está no banco entre os suplentes pode entrar e fazer a diferença. Nosso grupo é muito forte e o conjunto é que nos faz muito forte", disse Cachopa, que atua no Cruzeiro.

Alan destacou que está acostumado com a pressão e afirmou que não se sente menos importante por começar os jogos entre os reservas. O grupo, segundo ele, é forte e sabe o que quer.

"Todos nós estamos acostumados a sofrer pressão. Nossa Superliga é bastante forte e isso nos ensina muito e nos deixa preparados para uma situação como essa. Nestes momentos, vamos com tudo. Quem está no banco não é menos importante dos que começam como titulares. Temos um conjunto forte", afirmou Alan.

Com a vitória, a seleção brasileira segue na segunda colocação da fase de classificação, agora com 27 pontos, mas viu a diferença aumentar para o líder Irã, que chegou aos 30 com o triunfo por 3 sets a 0 sobre a Austrália e já se garantiu na fase final, que será em Chicago, nos Estados Unidos, de 10 a 14 de julho, estágio em que o time de Renal Dal Zotto também está perto de alcançar de forma antecipada.

Se a Polônia, atual sexta colocada e com sete vitórias até aqui, perder para a Itália neste domingo, e o Brasil vencer a Rússia também neste domingo, no último jogo da quarta e penúltima semana do estágio classificatório, a equipe brasileira chegará a 11 triunfos na competição e vai garantir a vaga na fase final da competição, em que passam os cinco melhores colocados mais os Estados Unidos, que vão sediar a parte final do torneio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.