Marcelo Del Pozo/Reuters
Marcelo Del Pozo/Reuters

Desmotivado, Pedro Cunha encerra a carreira no vôlei de praia

Quinto colocado nos Jogos de Londres ao lado de Ricardo, jogador pretende agora ir à praia apenas para recreação

O Estado de S. Paulo

27 de fevereiro de 2013 | 16h04

SÃO PAULO - Pedro Cunha estará na Olimpíada do Rio, mas na arquibancada. Quinto colocado nos Jogos de Londres ao lado de Ricardo, o carioca de 29 anos resolveu encerrar a carreira. Sua desdepdida será na próxima etapa do Circuito Banco do Brasil, em Maceió, do dia 15 a 17 de março.

"Era algo que já vinha pensado nesse início de ano, muitas coisas influenciaram, o cansaço, o desgaste de muitas viagens, a saudade da família, a falta de apoio, de patrocinadores… Nos últimos anos tive lesões sérias, contusões que me atrapalharam muito, foi tudo muito sacrificante para mim, para minha equipe, mas consegui superar. Não tenho mais aquele prazer de entrar em quadra, de treinar, de competir, por mais que me force a isso, e esse é o problema, está difícil me motivar e, para mim, esse é o sinal de que está na hora de repensar algumas coisas. Não posso reclamar do vôlei de praia, pelo contrário, sou grato ao esporte, conheci o mundo, fiz amizades e vou sentir saudade, claro que vou. É uma decisão pessoal, só eu sei o quanto está sendo difícil esse momento, mas foi algo muito pensado, estou bem tranquilo em relação a isso e agora eu vou quero ser uma pessoa comum, ter fim-de-semana com a minha família, viajar a passeio e ir à praia como lazer", disse o atleta para sua assessoria de imprensa.

Bicampeão mundial Sub-21 (2001/03) e bicampeão do Circuito Banco do Brasil (2007/10), o atleta era vice-líder do ranking nacional com 2.280 pontos e foi finalista da etapa de João Pessoa, no último fim de semana.

Cunha concluiu que talvez não tivesse fôlego para prosseguir até 2016. "Estive em Londres e vi o quanto as Olimpíadas são fascinantes. Foi um sonho que realizei. Pesei muito essa possibilidade de disputar os Jogos de 2016, mas não sei se chegaria até lá. Vou estar na arquibancada, comemorando os pontos das duplas brasileiras, me sentindo um pouco mais torcedor, vou assistir outras modalidades, vou curtir muito as Olimpíadas aqui no Rio de Janeiro. Agradeço a todos os meus parceiros, técnicos e patrocinadores, a todos aqueles que me ajudaram em todos esses anos na praia, sempre dei o meu melhor por meus times. E quero agradecer em especial ao Ricardo, ao lado de quem joguei o último ano e meio, um período maravilhoso, no qual disputamos os Jogos de Londres, alguém com quem aprendi muito e que entendeu o que estou passando nesse momento. Vou jogar a etapa de Maceió, vou aproveitar esse meu último torneio, jogar cada partida como se fosse a última, porque cada jogo pode ser mesmo o último.

Pego de surpresa, o parceiro Ricardo vai consultar a comissão técnica da seleção brasileira para escolher o melhor perfil de seu próximo colega. "Não esperava por isso. Pedro Cunha é um dos grandes jogadores que temos no vôlei de praia, nossa parceria estava muito sólida, um time forte, mas conversamos e entendo tudo o que ele me falou. Fico chateado porque o esporte perde um jogador talentoso, um atleta de qualidade e experiente. Espero que ele tenha o mesmo sucesso no caminho que for seguir agora, que não se afaste do esporte, é uma pessoa muito querida no meio e vamos tentar terminar bem essa trajetória dele no esporte, jogar com alegria em Maceió, para que ele curta este momento.

Tudo o que sabemos sobre:
vôlei de praiavôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.