Divulgãção
Divulgãção

Em casa, Brasil começa luta pelo 8.° título do Grand Prix

Seleção brasileira feminina de vôlei encara Porto Rico nesta sexta no ginásio do Maracanãzinho, às 10 horas

EFE,

30 de julho de 2009 | 14h46

A seleção brasileira de vôlei feminino estreia nesta sexta-feira em mais uma edição do Grand Prix, diante de Porto Rico no Maracanãzinho, às 10 horas, tentando o bicampeonato e o oitavo título do torneio em toda a história.

Veja também:

linkZé Roberto pede às brasileiras cuidado com Porto Rico

Atual campeã olímpica, a equipe comandada pelo técnico José Roberto Guimarães disputa o primeiro quadrangular do campeonato no Rio de Janeiro também contra Estados Unidos e Alemanha.

As alemãs são as adversárias de sábado, também às 10 horas, e a equipe reeditará a final dos Jogos de Pequim diante dos EUA no domingo, no mesmo horário.

As brasileiras esperam superar o trauma da última partida no Maracanãzinho: a derrota para Cuba na final dos Jogos pan-americanos de 2007.

Para ajudar, o Brasil entra em quadra animado pela vaga conquistada no Mundial do ano que vem, no Japão, ao vencer um torneio na cidade mineira de Betim encerrado no último domingo.

A intenção da equipe é chegar a mais uma conquista do Grand Prix. A equipe, maior vencedora de todos os tempos, foi campeã nos anos de 1994, 1996, 1998, 2004, 2005, 2006 e 2008.

"O importante neste classificatório para o Mundial foi ver o comportamento do time, a dinâmica de jogo. Nosso dever foi cumprido. Agora, começa outro campeonato. Pelo nível das equipes, o Grand Prix promete ser difícil", afirmou o treinador.

Após a disputa inicial no Rio de Janeiro, o Brasil viaja à Ásia. Entre os dias 7 e 9 de agosto, a equipe enfrentará Tailândia, Polônia e China em Macau. Uma semana depois, na Coreia do Sul, pega os anfitriões, o Japão e novamente a Alemanha.

A fase final da atual edição do Grand Prix será disputada de 19 a 23 de agosto em Tóquio pelas cinco equipes com melhor campanha e o Japão, já classificado por ser o país anfitrião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.