Marcelo del Pozo/Reuters
Marcelo del Pozo/Reuters

Em preparação para o Mundial, Dani Lins e Thaísa comemoram retorno à seleção

Antes do início do torneio, as jogadoras convocadas pelo técnico José Roberto Guimarães farão quatro amistosos

Estadão Conteúdo

26 de julho de 2018 | 16h58

De olho no Mundial, a seleção brasileira feminina de vôlei segue com a seu cronograma de treinos no Centro de Desenvolvimento de Voleibol, em Saquarema (RJ). Antes do início do torneio, as jogadoras convocadas pelo técnico José Roberto Guimarães farão quatro amistosos.

+ CBV anuncia amistosos das seleções masculina e feminina antes dos Mundiais

As campeãs olímpicas Dani Lins e Thaisa, que disputaram a Copa Pan-Americana como teste para a volta à seleção principal, e a ponteira Fernanda Tomé foram integradas ao grupo de 15 atletas nesta semana e já deram início às atividades em Saquarema. Além delas, foram convocadas a levantadora Roberta, a oposta Tandara, as centrais Adenízia, Carol e Bia e as ponteiras Gabi, Natália, Amanda, Drussyla, Rosamaria e as líberos Gabiru e Suelen.

A levantadora Dani Lins comemorou o seu retorno à seleção depois do nascimento da filha Lara, hoje com cinco meses e que é fruto do casamento com o vice-campeão olímpico Sidão, e também falou sobre a expectativa da equipe para o Mundial.

"É uma responsabilidade dupla. Tenho que pensar na minha filha e na seleção brasileira. É difícil e não foi fácil voltar à minha forma física. Quando estou dentro de quadra o foco é total no voleibol", disse a levantadora. "Ainda estou voltando e sei que tenho muito o que evoluir. O Mundial é uma competição difícil. Acompanhei a Liga das Nações e as equipes estão renovadas e jogando com velocidade. A expectativa é muito boa", completou.

Thaisa ficou longe da seleção por quase um ano por outro motivo. Lesões nos dois joelhos - o esquerdo precisou ser operado - e no tornozelo direito a mantiveram afastada das quadras e, por isso, ela precisou de um tempo para recuperar a forma física depois de estar livre das contusões.

"Não imaginava retornar para a seleção. Eu queria voltar a jogar em alto nível, mas não sabia como meu corpo reagiria. Foi muito difícil todo o meu período de recuperação. Fico muito feliz com essa oportunidade de estar na seleção novamente. Chego na seleção dando o meu máximo e treinando forte todos os dias. Estou evoluindo e muito feliz de estar aqui", declarou a central.

A seleção dos Estados Unidos será a rival do Brasil nas quatro partidas amistosas antes do Mundial, que será disputado entre 29 de setembro e 10 de outubro, no Japão. O time brasileiro encara as norte-americanas nos dias 12, 14, 16 e 18 de agosto.

A ideia do técnico José Roberto Guimarães é aproveitar este período inicial de treinamentos para aprimorar a forma física das atletas, que sofreram com o desgaste na Liga das Nações - o Brasil terminou em quarto lugar no torneio.

"Fizemos uma boa Liga das Nações em relação ao que enfrentamos de problemas físicos. Está tudo se encaixando e estamos buscando melhorar a condição física das jogadoras com mais força e potência. O Mundial é um campeonato duro e difícil. São 13 jogos em um mês, portanto vamos precisar de todo o elenco para irmos trocando as jogadoras".

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.