Marcos Ribolli/Vôlei Renata
Marcos Ribolli/Vôlei Renata

Equipe de Campinas desafia poderio de meia seleção de vôlei em busca do primeiro título

Partida começa às 21h30, no ginásio do Taquaral, e terá transmissão pelo SporTV2

Alessandro Lucchetti, Especial para o Estado

31 de outubro de 2019 | 16h05

De um lado, um time pentacampeão estadual e dono do título da Superliga masculina de vôlei, com cinco atletas da seleção que se sagrou campeã da Copa do Mundo do Japão, neste mês. Do outro, uma equipe taticamente muito bem azeitada, treinada pelo comandante da seleção argentina, que vem arrancando muitos elogios no cenário internacional.

Mesmo jogando no Vale do Paraíba, a casa do EMS Taubaté Funvic, o Vôlei Renata, de Campinas, venceu a primeira partida por 3 a 2. Nesta quinta-feira, a equipe visitante, dirigida por Renan dal Zotto, técnico do Brasil, precisa da vitória por qualquer placar para levar a decisão do Campeonato Paulista para o Golden Set. 

A partida começa às 21h30, no ginásio do Taquaral, e terá transmissão pelo SporTV2. Todos os 2.600 ingressos disponíveis foram trocados em apenas quatro horas e meia, numa prova de que a torcida campineira está sedenta por um título. O Vôlei Renata, projeto que já completou uma década, ainda não ergueu um caneco do Paulista – amargou três vices em sequência, o último deles em 2013. O carrasco foi sempre o Sesi.

Nos treinos de quarta-feira à noite, os dois treinadores optaram por duas atividades bem distintas. Renan apostou num treinamento pesado. Os atacantes desciam o braço sem dó nas bolas, que não raro batiam no teto do Taquaral. O time da capital brasileira da literatura infantil tem marmanjos que, juntos, ostentam um poderio impressionante: dispõe de Lucão, Lucarelli, Maurício Souza, Douglas Souza e o líbero Thales (todos da seleção), além de jogadores que já a serviram, como Lipe (antes conhecido como Chupita), Leandro Vissotto e o levantador Rapha. O forte oposto marroquino Mohamed Al Hachdadi é outro destaque.

Já os atletas do Renata, com um orçamento mais modesto, participaram de uma sessão de análise tática por vídeo e fizeram um treino de ajuste fino, com capricho em posicionamento e detalhes. A ideia é provar que o time de Campinas, patrocinado por um fabricante de macarrão, é formado por homens que são grano duro de roer.

“O time deles é poderosíssimo. Precisaremos ter cabeça fria para passar por cima dos momentos de dificuldade e lutar por cada bola”, diz o treinador Horácio Dileo, fiel ao tradicional discurso argentino em esportes coletivos, sempre exigindo garra de seus comandados.

“O Vôlei Renata é uma equipe que sabe como nos incomodar bastante, inclusive nos bateram na Superliga. Eles têm um levantador muito bom (o argentino González) e um grande treinador, que sabe treinar e comandar. Acho que temos tudo para ganhar, mas vai ser um duelo de altíssimo nível”, analisa o líbero Thales.

A equipe campineira, dona da melhor campanha da fase de classificação, está invicta em casa na temporada, com seis vitórias e apenas um set perdido. Já o Taubaté paga pelas agruras do calendário: seus jogadores da seleção vieram cansados da disputa da Copa do Mundo, com 11 jogos em 15 dias. O time de Renan ainda tenta se reagrupar para não deixar o hexa escapar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.