Equipe se exime de culpa por doping de Elisângela

O Florens Castellana Grotte, equipe da ponta brasileira Elisângela Paulino no voleibol italiano, divulgou nesta quinta-feira uma nota oficial para explicar o caso de doping envolvendo a atleta, anunciado na última terça pelo Comitê Olímpico da Itália.De acordo com o time, Elisângela tomou por conta própria um remédio para dor de cabeça que conteria a substância proibida. Segundo o comunicado, a jogadora, que está suspensa preventivamente por 60 dias, foi ingênua e sequer comunicou os médicos do clube que havia ingerido o medicamento."A empresa, sublinhando a certeza de boa-fé e, ao mesmo tempo, a ingenuidade da jogadora, insiste que não pode ser considerada culpada nesta história, pois a atleta não havia relatado o consumo dessa medicação ao departamento médico ou a quem quer que seja na equipe do Florens Castellana Grotte", diz a nota.O time afirma ainda que irá analisar o caso com serenidade. Nos próximos dias, Elisângela, que segundo o clube está muito abalada com a notícia, deve realizar o exame de contra prova.A atleta do Brasil foi pega no dia 22 de novembro após o confronto contra o Monteschiavo Jesi. Ela teria utilizado o estimulante isometepteno. A substância, proibida pela Agência Mundial Antidoping (WADA, na sigla em inglês), serve para aumentar o desempenho físico.A jogadora, que chegou a ser convocada para o jogo das estrelas do Campeonato Italiano desta temporada, está há quatro anos no país e é um dos principais destaques do Florens Castellaneta Grotte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.