Equipes usam GP de vôlei para treinar

O melhor time do Brasil na última temporada, o Telemig Celular/Minas, bicampeão da Superliga (perdeu o Giba para o Ferrara, da Itália, mas mantém a base), foi a equipe que mais cedeu jogadores às seleções brasileiras, tanto adulta como as das categorias de base. Assim, o técnico Carlos Alberto Castanheira, o Cebola, considera o Grand Prix, que começa nesta quinta-feira, uma oportunidade para o time adquirir entrosamento e ritmo de jogo. Isso para enfrentar a Superliga, a partir de janeiro. "Quase não treinamos com o grupo completo no ano", explicou o treinador.O GP, um torneio de quatro semanas, terá 12 equipes em três grupos. Para Cebola, a disputa pelo inédito título do Grand Prix será acirrada, com sete times na luta pelo campeonato - Suzano, Santo André, Banespa, Unisul, Ulbra, Palmeiras/Guarulhos e o próprio Minas.Suzano e Santo André jogam nesta quinta-feira, às 18 horas, e Minas e Uneb se enfrentam às 20 horas, no Ginásio do Minas, em Belo Horizonte. Em Araraquara (SP), no Ginásio Gigantão, a Ulbra enfrenta o Palmeiras, às 18 horas, e o Lupo pega o Bento Gonçalves, às 20 horas. Para o técnico Jorge Schmidt, da Ulbra, vice-campeã da Superliga, a competição é um teste para olhar o próprio time e também para conhecer os rivais. "Estamos curiosos para saber como cada equipe atuará. Chegou o momento de ver como estamos", avisou.O campeão paulista Banespa vai jogar em Blumenau (SC), no Ginásio Barão do Rio Branco, contra a Unisul, às 20 horas (com transmissão da SporTV) - na preliminar jogam Barão x Intelbras, às 18 horas. Mauro Grasso, do Banespa, disse que não conhece a Unisul, mas sabe que é um adversário forte. O time paulista parou o trabalho por uma semana, após o Paulista, e está readquirindo ritmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.