Finasa bate o Rexona e disputa final do turno em casa

Pela Superliga feminina, equipe de Osasco derrota rival por 3 sets a 0, com parciais de 32/30, 25/22 e 26/24

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

31 de janeiro de 2009 | 14h18

O Finasa/Osasco (SP) conquistou o direito de jogar em casa a decisão do terceiro turno da Superliga feminina de vôlei ao bater neste sábado, no Ginásio José Liberatti, em Osasco, o arquirrival Rexona/Ades (RJ) por 3 sets a 0, com parciais de 32/30, 25/22 e 26/24, pela sexta rodada do terceiro turno. A final acontece no próximo sábado, às 21h45.Apesar da derrota, a segunda do time carioca na Superliga, o Rexona ainda lidera o campeonato, com 17 vitórias e apenas duas derrotas (36 pontos). O Finasa é o segundo colocado, com 15 vitórias e três derrotas (33 pontos). Este foi o terceiro confronto entre as equipes neste torneio e a segunda vitória do time paulista.Apesar do jogo reunir as duas melhores equipes do voleibol brasileiro - com seis campeãs olímpicas em quadra -, tanto as jogadoras e como os dois técnicos foram unânimes ao dizer que a partida foi fraca tecnicamente, apesar do equilíbrio. "Estou contente com a vitória, mas sei que vamos ter de jogar mais para vencer novamente elas na próxima semana", disse Paula Pequeno, ponta do Finasa/Osasco. "Cometemos muitos erros que não podemos errar tanto."O técnico Bernardinho, do Rexona, apontou a principal falha de seu time no jogo. "Cometemos muitos erros, principalmente na recepção", disse. "As duas equipes erraram muito e sempre que alguém abria vantagem, não conseguia manter por muito tempo, por causa dos erros."Adenízia, meio-de-rede do Finasa, foi eleita a melhor em quadra pela CBV (Confederação Brasileira de Vôlei). A atleta se mostrou firme nos momentos decisivos do confronto, principalmente no primeiro e no terceiro set.MODIFICAÇÕES E RECLAMAÇÕESAlém do tradicional equilíbrio, a partida entre Finasa e Rexona neste sábado foi marcada por muitos protestos de ambas as partes contra a arbitragem. Os treinadores Bernardinho e Luizomar de Moura não gostaram de algumas marcações de juiz e ficaram até ameaçados de levar cartão amarelo no jogo.No primeiro set, os dois times não mostraram estabilidade e os comandantes promoveram muitas alterações no fim da parcial. As campeãs olímpicas Carol Albuquerque (Finasa) e Fabiana (Rexona) chegaram a deixar a quadra mais de uma vez. Já Paula Pequeno se destacou e foi decisiva para o triunfo das paulistas.Outra jogadora que teve grande atuação foi a jovem Natália. Além do seu já conhecido ataque forte, ela variou os pontos com algumas largadinhas e surpreendeu a defesa adversária. "Com o passar do tempo a gente vai ganhando experiência e percebe que o jogo não é só força, na pancada", assinalou.A segunda parcial foi amplamente dominada pelas mandantes e o terceiro voltou a ser disputados. Em erros seguidos da equipe do Rio de Janeiro, o Finasa chegou a abrir 18 a 12, mas também falhou demais e permitiu o empate no set. Os pontos finais foram muito disputados e o time de Osasco fechou em mais uma bela bola de Paula Pequeno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.