Divulgação
Divulgação

Fofão comemora 45 anos em quadra no clássico com Osasco

Levantadora do Rexona-Ades é exemplo da longevidade no esporte

O Estado de S. Paulo

10 Março 2015 | 15h35

Fofão já é, há algum tempo, exemplo de excelência e longevidade no esporte de alto rendimento. A levantadora do Rexona-Ades completa 45 anos nesta terça-feira e vai celebrar a data no lugar por onde mais esteve até hoje: nas quadras de vôlei. O time carioca, atual campeão e líder invicto da Superliga, enfrenta o Molico/Osasco às 21 horas, no Ginásio José Liberatti, pela penúltima rodada da fase de classificação.

A jogadora, dona de três medalhas olímpicas (incluindo o ouro de Pequim-2008), já tem data marcada para a aposentadoria: o mês de maio. Era esperada a sua saída de cena no fim da última temporada, quando o Rexona (ainda com o nome de Unilever) conquistou o nono título nacional diante do Sesi. Mas foi difícil dizer adeus após o apelo de colegas e do técnico Bernardinho.  

Com uma atuação impecável, foi eleita a melhor jogadora da final. "A Fofão é a síntese da atleta que inspira as pessoas pela paixão que tem pelo o que faz. É uma jogadora que tem que estar sempre no vôlei, porque é um exemplo para todas as jovens", disse o treinador à época.

Fofão será homenageada nesta noite antes do jogo. E suas companheiras querem dar a vitória de presente. Companheira de quarto da levantadora, a central Juciely tem acompanhado de perto os últimos momentos da carreira da referência do time. 

"Vivemos muito próximas umas das outras e compartilhamos muitos momentos de nossas vidas. Sei que esse dia vai marcar na vida dela e dar uma vitória como presente será muito bom, ainda mais neste último ano dela como profissionais e em um clássico como este."

Depois da Superliga, o Rexona-Ades ainda tem como compromisso o Mundial de Clubes, entre os dias 5 e 10 de maio, na Suíça. Essa será a última competição de Fofão como jogadora. "O planejamento para o meu último ano não parava na Superliga. Mas era necessário vencer para poder carimbar meu passaporte pela última vez como jogadora de vôlei", disse a levantadora sobre o título sul-americano, conquistado no dia 8 de fevereiro, justamente contra Osasco e no Liberatti.

Mais conteúdo sobre:
vôlei Superliga Fofão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.