FIVB
FIVB

Giba comenta vida na Polônia e se esquiva sobre novo código disciplinar do doping

Ícone da seleção, ele também fala do trabalho na Federação Internacional de Voleibol (FIVB)

Entrevista com

Giba

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2019 | 04h31

Considerado um dos maiores jogadores de vôlei da história, Giba atualmente mora na Polônia e afirma não pensar em voltar tão cedo para o Brasil. Em entrevista ao Estado, o ex-jogador comenta sobre o seu trabalho na Federação Internacional de Voleibol (FIVB), relembra o próprio caso de doping e se esquiva sobre o novo código disciplinar da Agência Mundial Antidoping (Wada, da sigla em inglês).

Recentemente, o Estado informou que o código disciplinar da Wada prevê que, a partir de 2021, atletas não serão mais suspensos por doping em caso de drogas de uso social, como maconha e cocaína. Você concorda com essa decisão?

Peço desculpas, mas não falo sobre isso. Hoje eu represento uma instituição e até ter algo em nossas reuniões, não tenho como comentar porque não sei a posição de nada. Hoje não sou o Giba. Represento a Federação Internacional de Voleibol, então, não posso falar até ter algo concreto da minha instituição.

Neste mês você participou de uma reunião da FIVB na Suíça. Por lá, discutiram o novo código da Wada?

A minha reunião na verdade era única e exclusivamente voltada para os atletas. Tenho de ir lá para fazer o calendário do ano que vem e como as coisas vão acontecer na temporada. Isso não é o meu departamento. Não teve absolutamente nada. Fizemos apenas o calendário de 2020. Temos outra reunião em janeiro e talvez lá vamos ter algum conhecimento a respeito de todo esse processo.

Anos depois do seu exame antidoping testar positivo para o uso de maconha, sua visão sobre o assunto mudou?

Foi o que falei desde a coletiva de imprensa em 2003. Eu levantei a mão e disse: "Errei". Eu sei que eu sou uma figura pública, sou um espelho para muita gente. Foi depois disso que vi realmente o que era o Giba para as pessoas e sabia que não poderia errar novamente. Falo abertamente. Foi um divisor de águas, onde soube quem eu era e o que eu representava para uma nação que acompanha o vôlei. Antes disso, não tinha essa visão porque ainda era muito moleque, não só no esporte, mas na vida. Depois, entendi e vim crescendo ao longo do tempo para entender. E isso sempre falei. Agora em questão esportiva é outra coisa que vai ser discutida no começo do ano que vem e eu também pretendo falar disso depois. Até agora, não foi discutido nada, então não tenho nada para dizer.

Como está o seu trabalho na FIVB?

Continuo falando com os atletas, vendo o que é melhor e o que não é. Sou uma ponte entre a Federação Internacional de Vôlei, que sempre foi vista como uma instituição que os atletas não tinham condições de chegar. Hoje eles têm voz comigo e com a comissão inteira.

Como avalia o trabalho do Renan Dal Zotto na seleção brasileira?

O Renan foi o meu técnico em 1996. Posso dizer que os resultados estão aí. Acho que a minha geração acostumou muito mal o Brasil em só ganhar. Então, segundo lugar para o brasileiro no vôlei não tem muito valor, mas deveria ter. Continuo achando que o trabalho dele está maravilhoso. Os atletas que estão lá, a maioria deles, eu tive a oportunidade de jogar e de passar a experiência que ganhei ao longo de todos esses anos e tenho certeza de que são pessoas de bom caráter e que lutam pela bandeira do Brasil.

O que espera do Brasil nos Jogos Olímpicos de 2020?

Espero estar na final de novo. Se vai ser campeão de novo é outra coisa. Mas espero que eles estejam na final.

Você está morando na Polônia. Por qual motivo mudou de país?

Tenho o projeto do "Gibinha" no Brasil e fui convidado por uma empresa polonesa para vir trabalhar aqui. Estou aqui desde junho do ano passado. Aceitei o desafio. Hoje a empresa infelizmente resolveu mudar para o handebol, mas os projetos que fiz e as escolas que visitei continuam me convidando para voltar, então estou bem tranquilo com isso. A sementinha foi plantada.

O projeto social na Polônia rendeu frutos? 

Diante de todos os trabalhos de caridade que fiz, acabei recebendo um prêmio no último dia 16 de dezembro com o presidente do país, o primeiro ministro e com a primeira-dama na categoria "caridade". Para se ter uma ideia, fiquei na frente do Robert Lewandowski, que é o Neymar da Polônia. Realmente todo esse trabalho que fiz durante os últimos oito meses visitando escolas foi bem bacana.

Qual é a grande diferença entre o Brasil e a Polônia?

Tem uma diferença muito grande principalmente em casos como assédio sexual, abuso de crianças e tudo relacionado a drogas. Tudo isso é muito mais pesado aqui. Até porque o projeto funciona em locais de risco. Na Polônia, a escola vai das oito da manhã até às quatro da tarde e no período em que as crianças ficariam na rua elas estão praticando esporte. Aqui o esporte é levado muito a sério, as escolas públicas parecem as escolas particulares no Brasil. As pessoas conseguem ver a Polônia como um local para visitar, mas deveriam começar a olhar com outros olhos. É um país muito desenvolvido e que está em crescimento e que ainda possui muitas oportunidades.

Como é a sua rotina?

Eu faço visitas nas escolas e falo com as crianças. O mais importante é o seguinte: caridade. Não é uma coisa que tenho lucro financeiro. É como o "Gibinha" no Brasil. Aqui, eu trabalho para divulgar o voleibol e o meu negócio principal é como presidente da comissão dos atletas mundiais na Federação Internacional de Vôlei. Faço muito mais home office porque tem os relatórios de quando falo com os jogadores e pelo menos duas vezes por semana essas visitações nas escolas para manter o projeto vivo e mostrar que realmente o esporte pode tirar as crianças da rua, das drogas e da rotina de violência nas grandes cidades.

E as relações familiares?

Está tudo ótimo. Continuo vendo os meus filhos regularmente. Eles estão morando na Romênia. Fica até mais perto para vê-los daqui da Polônia.

Pensa em voltar para o Brasil?

Eu não sei. Hoje eu acho que não voltaria. Não tenho nenhuma proposta de trabalho no Brasil. Na Europa, estou com uma oferta e uma demanda de visitação em federações. Através da Federação Internacional, fui para a Eslovênia, Marrocos... Eu sou meio que um embaixador também deles, então aqui está tudo mais perto. Do Brasil você faz um voo e demora, por exemplo, 12 horas. Por isso, eu também escolhi a Polônia para viver, é um país central.

 

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiGiba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.