Reprodução
Reprodução

Giba vira coordenador de equipe feminina e projeta vaga na Superliga

Time do Madero CWB Curitiba disputará a Taça Ouro contra Valinhos e Sesi-SP

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2017 | 17h02

O campeão olímpico de vôlei Giba agora é coordenador técnico da equipe feminina do Madero CWB Curitiba. O time vai disputar nos dias 2 e 3 de agosto, no ginásio do Sesi, em Santo André, a Taça Ouro, que classifica a equipe campeã para a temporada 2017/2018 da Superliga. Também participam  do torneio triangular as equipes de Valinhos e Sesi-SP.

O time do Madero CWB Curitiba mescla atletas experientes com jovens. Possui nomes como Valeskinha e a levantadora Fernandinha (duas medalhistas de ouro olímpicas), além da central Fofinha, da líbero Aninha e da ponta Verô. O  técnico é Clésio Prado. É o primeiro projeto ligado ao vôlei profissional de Giba desde a sua aposentadoria, em 2014. 

"Busquei trazer a mentalidade europeia à gestão financeira do time. Temos várias empresas parceiras, e não apenas um patrocinador grande. O objetivo é que esse projeto dure muitos anos", disse Giba ao Estado.

O ex-jogador também acredita que a paixão da torcida de Curitiba pelo vôlei servirá para impulsionar a equipe. No início do mês, a fase final da Liga Mundial foi disputada na Arena da Baixada e o público das partidas de vôlei conseguiu superar o número de torcedores que acompanharam o jogo do Atlético-PR contra o Santos, na Vila Capanema, pelas oitavas de final da Libertadores. O público presente na partida entre Brasil e Rússia, pela Liga Mundial, por exemplo, foi de 14,3 mil torcedores, enquanto 13,7 mil pessoas assistiram no estádio ao jogo do Atlético-PR.

"Curitiba estava precisando de um time assim. Nos jogos do Campeonato Paranaense de Vôlei mais de 1 mil pessoas foram assistir às partidas em um ginásio com capacidade de 2.500 pessoas. O curitibano gosta e precisa de mais esportes na cidade, além do futebol. Queremos que a cidade reviva essa paixão pelo vôlei", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.