Alexandre Arruda/Divulgação - CBV
Alexandre Arruda/Divulgação - CBV

Graça chama de 'covardes' fontes das reportagens que sacodem a CBV

Ex-presidente da CBV diz que notícias divulgadas pela ESPN Brasil são 'inverídicas'

O Estado de S. Paulo

26 de março de 2014 | 18h40

SÃO PAULO - Ary Graça subiu o tom em sua última manifestação sobre a crise que eclodiu na Confederação Brasileira de Vôlei, que ele presidiu de 1997 até o último dia 14. Em comunicado emitido nesta quinta-feira, um dia depois da publicação de uma entrevista pelo jornal Lance!, em que se contradisse, o atual presidente da Federação Internacional de Vôlei chama de "covardes e invejosos" as fontes das reportagens que colocaram sua reputação na berlinda.

Leia, na íntegra, a nota de Ary Graça:

Prezados colegas e amigos da Confederação Brasileira de Vôlei,

Muitas notícias inverídicas vêm sendo divulgadas pela mídia recentemente, em uma tentativa de atingir não somente a minha pessoa e a de colaboradoras da CBV, mas o voleibol brasileiro como um todo. Essas notícias em muito me entristecem, pois encobrem o excelente trabalho feito em prol do nosso esporte.

Por isso quero me dirigir diretamente a vocês, com quem convivi por tanto tempo, e prestar esclarecimentos a fim de que não restem dúvidas quanto à integridade de todos os profissionais envolvidos na negociação do patrocínio do Banco do Brasil.

- Durante a minha gestão, a CBV jamais pagou qualquer remuneração a título de intermediação ou comissionamento pelo contrato com o Banco do Brasil. As empresas citadas participaram da negociação pelo lado da CBV e foram responsáveis pela grande elevação de patamar do patrocínio. Os valores que vêm sendo citados são inverídicos, o que pode ser comprovado no sistema contábil da CBV. O valor fica entre 3% e 4% do total do contrato, distribuídos entre todas as empresas envolvidas, por serviços prestados e que só foram pagos em razão da performance do que foi conquistado.

- O balanço da CBV de 2012 foi auditado e aprovado pela KPMG e todos os contratos mencionados foram contabilizados de forma transparente neste período.

- Está correta a informação de que o contrato entre a CBV e o Banco do Brasil foi negociado diretamente entre as partes. Mas é preciso esclarecer que os valores pagos se referem a dois anos de extensas negociações entre a Confederação e o Banco do Brasil para a renovação do contrato até 2017. Trata-se do maior contrato de sua história, excelente para ambas as partes e que viabiliza a continuação do crescimento e sucesso do voleibol brasileiro.

- Como em todos os contratos de vulto, este também requereu uma negociação complexa, com grande prospecção pela CBV no mercado de marketing esportivo brasileiro, contatos com diversos outros patrocinadores e muitas outras negociações conduzidas até que se chegasse ao resultado.

- As informações que vêm sendo divulgadas causam dano irreparável à imagem do voleibol brasileiro, que tem reconhecidamente uma gestão vencedora dentro e fora das quadras. Mais ainda, denigrem sobremaneira e atingem diretamente excelentes profissionais, sérios e competentes.

- Durante toda a minha gestão, utilizei todo o aprendizado que obtive em cargos de lideranças em grandes empresas brasileiras, implementando na CBV, desde o início, uma agressiva política de bonificação em todos os níveis, dentro e fora das quadras. Apenas como exemplo, os atletas das seleções brasileiras receberam nos últimos anos mais de R$ 118 milhões de direitos de imagem e premiações por seu desempenho dentro das quadras - isso ninguém questiona.

- Funcionários de todos os níveis da instituição receberam bonificação semestral conforme seu desempenho, chegando a receber 17 (dezessete) salários anuais pelos excelentes trabalhos realizados - isso ninguém questiona.

-Da mesma forma, as empresas terceirizadas, receberam por desempenho por ter atingido meta estabelecidas, sendo tais metas bem acima do jamais conquistado em termos de patrocínio - isto estão questionando e inferindo valores inverídicos.

- Cabe esclarecer também que eu já me encontrava licenciado, tendo entregado minha carta de renúncia definitiva em 20/12/2013 ao Presidente Walter Pitombo Laranjeiras e que a mesma somente foi comunicada em 15/03/2014 na Assembleia Geral Ordinária da CBV.

- Lamento profundamente tais falsas imputações e só posso atribuí-las a covardes e invejosos que se acobertam no anonimato da fonte não revelada, para manchar a honra de um vencedor que sempre dirigiu a CBV de forma transparente e se dedica ao vôlei integralmente, passando longos períodos longe de seus familiares.

Espero ter conseguido esclarecer as dúvidas de todos. Saibam que sou e sempre serei um amigo e defensor ferrenho do vôlei brasileiro.

Ary Graça

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiAry Graça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.