Inscrita na Superliga, Virna encerrará a carreira neste ano

Experiente jogadora aceitou o convite do técnico Bernardinho, mas não pretende mais retornar às quadras

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

14 de janeiro de 2009 | 17h21

A jogadora Virna aceitou o convite do técnico Bernardinho e foi inscrita pelo Rexona/Ades (RJ) na Superliga feminina de vôlei. No entanto, a experiente atleta, de 37 anos, deixou claro que realmente só voltará para as quadras em caso de extrema necessidade. Seu objetivo é seguir no vôlei de praia e encerrar a carreira no fim de 2009.Veja também:Rexona inscreve a veterana Virna na Superliga femininaRexona inscreve Fernanda Venturini na Superliga"Este é meu último ano e até dói no peito ter que falar isso, afinal são muitos anos como jogadora. Mas uma hora temos que saber parar e eu quero ter mais tempo agora para me dedicar aos meus projetos sociais", disse a jogadora, que disputou três Olimpíadas com a seleção brasileira e conquistou duas medalhas de bronze, em Atlanta (1996) e Sydney (2000).Virna ainda revelou que está fazendo faculdade de jornalismo e pretende trabalhar na televisão depois que deixar o vôlei de praia. "Quero ser comentarista ou apresentadora, mas sempre trabalhar em algo ligado ao vôlei. Além disso, quero ter uma vida de dona de casa", assinalou."Eu acompanho a Superliga, vou aos jogos, gosto muito, minha vida foi inteira ali. Tenho muito carinho pelas jogadoras. Quero continuar acompanhando isso assim que encerrar a carreira", afirmou.MOTIVAÇÃOApesar de já ter data para encerrar a carreira, a jogadora destacou que está "super motivada" para o ano de 2009, quando terá Shaylin, irmã de Shelda, como nova parceira. Até 2008, ela atuava ao lado de Ângela."Sei que este será mais um ano de aprendizado, pois estou indo cada vez melhor na praia. A Shaylin é super craque e sei que ela tem muito futuro no esporte", declarou.Virna também contou que foi convidada pela prefeita de Natal, Micarla de Souza, para ser secretária de esportes da cidade. No entanto, recusou o cargo por falta de tempo e aceitou ser assessora especial da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer."Vou prestar um serviço para o governo, mas não vou ser remunerada", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.