Irã bate Itália e EUA vencem Bélgica no Mundial de Vôlei

Após ter sido aberto com um histórico jogo para um público de 62 mil pessoas, no último sábado, quando a Polônia bateu a Sérvia por 3 a 0, o Mundial Masculino de Vôlei contou com seu segundo dia de disputas neste domingo, em solo polonês. Cinco partidas foram realizadas e em uma delas o Irã fez bonito ao vencer a Itália por 3 sets a 1, com parciais de 25/16, 23/25, 25/21 e 25/22, em Cracóvia. Já os Estados Unidos, atuais campeões da Liga Mundial, sofreram para derrotar a modesta Bélgica por 3 a 2, com 25/21, 17/25, 25/16, 21/25 e 15/11, também em Cracóvia.

Estadão Conteúdo

31 de agosto de 2014 | 22h44

Força emergente da modalidade entre os homens, a seleção iraniana já havia surpreendido na última Liga Mundial, encerrada no mês passado, quando avançou às semifinais, antes de ser batida justamente pela Itália na decisão do terceiro lugar. E, agora ao dar o troco na rival, o Irã abriu o Grupo D do Mundial como um dos líderes.

Também pelo Grupo D, a França superou Porto Rico por 3 sets a 0, com 25/23, 25/22 e 26/24, e divide a ponta com os iranianos, com três pontos, enquanto os norte-americanos estão logo atrás, com dois (por terem perdido dois sets), na terceira posição. Já a Bélgica ocupa o quarto lugar da chave, com um ponto. Italianos e portorriquenhos dividem a lanterna, sem pontuação após esta primeira rodada.

Os outros dois jogos disputados neste domingo foram válidos pelo Grupo A. Em um deles, a Argentina superou a Venezuela por 3 sets a 0, com 25/23, 25/17 e 25/19. Já a Austrália derrotou Camarões, também por 3 a 0, com 25/22, 25/15 e 25/18.

BRASIL - Atual tricampeão mundial e integrante do Grupo B, o Brasil estreará nesta segunda-feira, contra a Alemanha, às 8 horas (de Brasília), em Katowice. O palco não poderia ser mais especial. Foi em Katowice, na Polônia, em 2001, que a seleção conquistou o primeiro título sob o comando de Bernardinho no início de sua era super vitoriosa no comando da equipe masculina do País.

"Estar em Katowice é muito significativo. Aqui, tudo começou, em 2001, depois ganhamos mais uma Liga Mundial em 2007, então é uma cidade emblemática como um início de uma trajetória", comentou o treinador ao site da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Nostalgia à parte, Bernardinho pede atenção total aos jogadores para o primeiro jogo. A Alemanha promete ser o rival mais duro para o Brasil na primeira fase. A seleção enfrenta ainda Tunísia, Finlândia, Coreia do Sul e Cuba neste Grupo B.

"Tem uma série de jogadores que atuam nos grandes campeonatos do mundo, tem a qualidade de um time europeu, é um time altíssimo, forte fisicamente e que começa a ter uma técnica e uma qualidade muito boas. Além disso, estreia tem sempre um grande peso", analisou Bernardinho.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiMundial de Vôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.