Divulgação/FIVB
Divulgação/FIVB

Itália, China, EUA e Rússia garantem vaga na segunda fase do Mundial de Vôlei

Brasil, com duas vitórias e uma derrota, folgou e volta a jogar nesta quarta-feira

Estadão Conteúdo

02 Outubro 2018 | 20h58

Itália, China, Estados Unidos e Rússia garantiram na rodada desta terça-feira uma vaga na segunda fase do Mundial Feminino de Vôlei, que está sendo disputado no Japão. O Brasil, com duas vitórias e uma derrota, folgou e volta a jogar nesta quarta-feira, às 7 horas (de Brasília), contra o Quênia, pelo Grupo D.

No Grupo B, as italianas tiveram poucos problemas para fazer 3 a 0 (25/11, 25/18 e 25/20) sobre as cubanas. Com 15 pontos, Paola Egonu foi mais uma vez o destaque italiano. Pela mesma chave, as chinesas somaram a quinta vitória consecutiva por 3 a 0 (25/21, 25/21 e 25/13) sobre as canadenses. A chinesa Zhu Ting, com 14 pontos, foi a melhor da partida.

No Grupo C, as russas passaram pelo Azerbaijão (25/21, 25/21 e 25/22), que, apesar da derrota, teve Polina Rahimova como destaque do duelo, com 19 pontos. A jogadora é a maior pontuadora até agora do campeonato, com 66. Ela também acumula nove aces na competição, sendo dois contra as russas.

As norte-americanas atingiram a marca de 11 triunfos consecutivos sobre a Coreia do Sul, ao marcarem 3 sets a 1. Elas perderam o primeiro set, mas lideradas por Kelly Murphy, com 18 pontos, obtiveram a virada no placar (19/25, 25/21, 25/21 e 25/18). Jeongah Park, da Coreia, conquistou 26 pontos e se tornou a maior pontuadora do dia no Mundial e o segundo melhor do torneio, com dois pontos a menos que Rahimova.

BRASIL EM QUADRA 

O Grupo D, que não teve jogos nesta terça-feira, volta à ação com três jogos nesta quarta-feira. A seleção brasileira garante uma vaga na segunda fase, caso derrote o Quênia. O time do técnico José Roberto Guimarães venceu Porto Rico e República Dominicana, mas perdeu para a Sérvia. Porto Rico x República Dominicana e Casaquistão x Sérvia são os outros jogos da chave.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.