Divulgação
Divulgação

Jogadoras do Rexona ressaltam importância de Bernardinho

Atletas da equipe do Rio dizem que trabalho do comandante é fundamental para que o time seja vencedor

Redação,

14 de março de 2009 | 20h23

As jogadoras do Rexona/Ades (RJ), campeão dos quatro turnos da fase classificatória da Superliga feminina de vôlei e grande favorito para ficar com o título da edição 2008/2009 da competição (os playoffs decisivos começam na próxima sexta), creditam o sucesso do time ao técnico Bernardinho.

"Se os outros times têm um grupo mais forte que o nosso, temos o Bernardinho. Ser treinada por ele ajuda muito. Eu escolhi vir para o Rexona porque com ele você pode crescer. Eu queria evoluir e vim para cá. Falar sobre ele é muito fácil para mim. Eu sou até suspeita. Admiro muito ele. Sou realmente uma fã", afirmou a ponta Érika.

"A condição que atingimos nos coloca numa posição onde temos que trabalhar mais. Treinamos muito para chegar até aqui e, como temos o Bernardinho no comando, estamos cientes que iremos treinar ainda mais daqui para a frente. O importante é que isso une cada vez mais o grupo", declarou a meio-de-rede Carol Gattaz.

Chamada por Bernardinho para retornar às quadras, Virna também não poupou elogios ao trabalho do treinador. "O Bernardinho é nosso diferencial. Estar ao lado dele, pesa. Outros times têm grupos mais fortes, no papel, do que o nosso. Por isso, ele trabalha tanto e nos prepara muito para as partidas. Assim atingimos essa campanha. No entanto, não podemos relaxar. Outras equipes ainda podem surpreender", analisou.

TRABALHO

Elogiado por suas comandadas, Bernardinho ressalta a importância de o grupo sempre trabalhar forte para conquistar a Superliga pela quarta vez seguida.

"Nosso trabalho nos colocou no foco. Começamos a competição num patamar abaixo de outras equipes, mas as jogadoras conquistaram os resultados e estamos no bolo dos times que estão no topo. Agora, é mais trabalho. Elas terão mais pressão nos treinamentos, já que entrarão pressionadas nos jogos. As jogadoras tem que se acostumar com isso durante os treinos a partir de agora", concluiu o comandante do Rexona.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.