Antonio Lacerda/ EFE
Antonio Lacerda/ EFE

Jogo com EUA é grande teste da atual geração, diz Bernardinho

Se Brasil perder para os americanos está eliminado

RONALD LINCOLN JR., Estadão Conteúdo

15 de julho de 2015 | 19h20

O técnico Bernardinho considera o duelo decisivo do Brasil com os Estados Unidos, nesta quinta-feira, como o grande teste da atual geração do vôlei masculino do País. Se perder, a seleção brasileira estará fora das semifinais da Liga Mundial de vôlei. O Brasil jogará pressionado porque perdeu em sua estreia na fase final ao levar uma virada da França, por 3 sets a 1, nesta quarta.

"Se há uma forma de testar novos jogadores é ver como se comportam em jogos como o de amanhã", avisou Bernardinho, fazendo alerta aos atletas mais jovens da seleção.

O treinador pediu mudança de postura na equipe brasileira, em comparação ao jogo desta quarta. "No segundo set, nós tivemos algumas chances, mas eles foram decisivos. Depois, além de errar os saques, nós tiramos a pressão deles. Se em algum momento você mostra desânimo diante de uma seleção com essa qualidade, fica difícil vencer", ponderou.

Um dos nomes dessa nova geração é o central Isac, que teve uma boa participação no primeiro set, mas viu seu rendimento cair junto com o da equipe no decorrer da partida. Para ele, é momento de focar nos Estados Unidos.

"É uma final para a gente, se perdermos não jogamos a decisão no fim de semana", afirmou o jogador, admitindo a pressão para o jogo contra os norte-americanos. "O que aconteceu contra a França já passou. Agora, precisamos botar a cabeça no lugar para vencer os Estados Unidos."

A fase final da Liga consiste em duas grupos com três equipes. Avançam as duas melhores de cada chave. No outro grupo, se enfrentam Itália, Sérvia e Polônia. As semifinais estão marcadas para os dias 18. A decisão será disputada no dia 19, também no Maracanãzinho.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiLiga MundialBrasilBernardinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.