Rubens Chiri/ São Paulo FC.net
Rubens Chiri/ São Paulo FC.net

José Roberto Guimarães reclama de reunião da Superliga não aceitar voto de Barueri

Representantes dos clubes optam pela manutenção do ranking de 7 pontos, mas descartam escolhas de duas equipes enviadas por e-mail

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 21h45

A reunião com os clubes da Superliga feminina na sede da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) foi marcada por uma polêmica que deixou José Roberto Guimarães, técnico da seleção brasileira, bastante incomodado. Os representantes das oito equipes presentes e da Comissão de Atletas (representada pelas jogadoras Amanda e Renatinha) votaram pela manutenção do ranking para as atletas de sete pontos e pela mudança de duas para três estrangeiras por equipe.

O resultado apertado, de 5 a 4 pela manutenção do ranking, seria diferente caso os participantes tivessem aceitado os votos enviados por email de São Paulo/Barueri e Curitiba Vôlei. "Como estamos em situação de contenção de despesas, não enviamos representante para o Rio. Na reunião, o representante do Rio de Janeiro, pelo que eu soube, disse que nós não estávamos presentes, junto com Curitiba, e que o voto não deveria ser válido", explicou Zé Roberto.

"Nós tínhamos mandado a comunicação por email dizendo que nós éramos a favor da extinção do ranking e de ter três estrangeiras, contanto que não fossem todas da mesma nacionalidade. Enviamos para a confederação e a CBV tinha aceito. Se tivéssemos recebido que a reunião teria de ser presencial, teria ido pagando do meu bolso. Mas não posso aceitar esse tipo de situação da forma como foi feita. Temos direito a voto, igual aos outros clubes", reclamou.

Com os votos de Barueri e Curitiba a favor da extinção do ranking, a contagem teria sido 6 a 5 para acabar com a manutenção do modelo que indica que cada clube só pode ter duas atletas de sete pontos: as levantadoras Dani Lins, Fabíola e Macris, as centrais Fabiana e Thaisa, as ponteiras Fernanda Garay, Gabi e Natália, e as opostas Tandara e Tifanny.

"O ranking seria extinto se considerassem os votos de Barueri e Curitiba. A CBV aceitou o documento, não se manifestou a respeito, e deixou que isso acontecesse. Curitiba tinha o mesmo pensamento nosso e não foi à reunião também para conter gastos. Em nenhum momento a CBV falou que o voto só seria válido presencialmente", afirmou Zé Roberto.

O treinador aguarda um posicionamento da entidade nesta sexta-feira para saber o que pretende fazer com o caso. "É uma situação que não caiu bem. Estou esperando uma resposta da confederação dizendo que medidas irão tomar. Queremos que nossos votos sejam computados. Ou que seja feita uma nova reunião, presencial ou não", avisou.

Estiveram presentes na reunião representantes de Dentil/Praia Clube (MG), Sesc RJ, Itambé/Minas, Sesi Vôlei Bauru (SP), Osasco Audax São Cristóvão Saúde (SP), Fluminense (RJ), Pinheiros (SP) e Flamengo (RJ). A Superliga entra em sua fase de playoff a partir de sábado e tanto Barueri quanto Curitiba garantiram sua classificação para o mata-mata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.