Leila estréia na praia em outubro

Leila está "renovada, motivada e feliz". Estrela de vôlei feminino do Brasil, ela trocou as quadras pela areia das praias, em abril, e afirmou já estar pensando na conquista de uma medalha nas Olimpíadas de Atenas, em 2004. Nesta terça-feira, num hotel no Rio, Leila e a parceira Sandra Pires, ouro em Atlanta (96) e bronze em Sydney (2000), anunciaram a assinatura do contrato com seu novo patrocinador, a Brasilcap.Depois de enfrentar problemas pessoais e profissionais, no ano passado, Leila disse estar se sentindo como uma jovem de 18 anos e explicou os verdadeiros motivos que a levaram a optar pela mudança. "O objetivo de uma atleta é ir bem no seu clube para chegar na seleção. Consegui tudo isso, por quase nove anos, e aí veio o buraco, o vazio. Pensei até em parar com tudo", revelou.A chance da mudança começou com um almoço em janeiro, quando Leila e Sandra decidiram formar a nova dupla e, segundo afirmaram, "foi tudo mera coincidência". De acordo com Sandra, a possibilidade da parceria surgiu com a decisão de Adriana Samuel, sua antiga companheira, de diminuir o "ritmo" no vôlei de praia para ter um filho, até o próximo ano.Apesar da expectativa pela atuação da nova dupla, a previsão é de que Leila e Sandra só passem a jogar juntas a partir de outubro. "Nesse momento, se treinássemos juntas, só iríamos atrapalhar uma a outra. A Sandra segue no circuito de vôlei com a Tatiane e, depois, quando eu estiver mais preparada, nos juntamos", explicou Leila, que ficará treinando no Rio com o técnico Marcelo Del Negro Gonçalves, o Alemão.Leila iniciou os treinamentos na areia há quatro semanas e tem suportado bem o novo desafio. O técnico Alemão assegurou que não existe "pressa" para preparar a nova jogadora e "tudo está perfeitamente planejado".O planejamento para adaptação de Leila à areia inclui uma viagem de três semanas às Filipinas, onde a jogadora é adorada pela população local, para fazer uma telenovela nos próximos meses. Toda comissão técnica a acompanhará durante este período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.