Líder isolado, Rexona descarta favoritismo na Superliga

Técnico Bernardinho diz que campeonato está apenas na metade e lembra que percurso ainda é longo

Redação,

24 de dezembro de 2008 | 11h36

Líder folgado da Superliga feminina de vôlei, com 25 pontos (12 vitórias e uma derrota), o Rexona/Ades (RJ), atual tricampeão do torneio, não se considera o favorito para ficar novamente com o título, apesar de ter conquistado tanto o primeiro como o segundo turno da competição."O Finasa/Osasco (SP), pelo plantel que tem, ainda é o favorito nesta temporada. A vantagem que temos não quer dizer nada. O campeonato está apenas na metade. Ainda há um longo percurso a ser traçado", diz o técnico Bernardinho.Na mesma linha, a meio-de-rede Carol Gattaz acredita que a equipe carioca terá que ser ainda melhor para levantar a taça da temporada 2008/2009. "Tivemos bastante dificuldades e são vários os pontos a melhorar até os playoffs e a fase decisiva", assinalou.ANO ESPECIALPara uma atleta do Rexona o ano de 2008 termina de forma especial. Após conquistar com a seleção brasileira a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto, a líbero Fabi tem cada vez mais se firmado como uma das melhores atletas na posição no mundo. "Nem nos meus sonhos podia imaginar chegar onde cheguei", declarou.O terceiro turno começará no dia 9 de janeiro, mas a equipe do Rio só atuará no dia 14, contra o Praia Clube/Futel (MG), na capital fluminense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.