Wander Roberto/Inovafoto/CBV
Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Liga das Nações tem seleção brasileira feminina de vôlei renovada e sem peso do favoritismo

Comandadas de José Roberto Guimarães jogam em Los Angeles, nesta terça-feira, diante da Alemanha no primeiro desafio do torneio

Marcos Antomil, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2022 | 18h39

A Liga das Nações de vôlei feminino começa nesta terça-feira. O torneio, que reúne 16 seleções, terá sua fase inicial repartida em três semanas. Em cada uma delas, os países realizam quatro jogos, todos na mesma cidade. O ginásio Nilson Nelson, em Brasília, será um dos palcos. A última etapa terá lugar em Ancara, na Turquia.

A seleção brasileira busca o título inédito para sua coleção. Em 2021, perdeu a final para os Estados Unidos, na cidade italiana de Rimini. Dessa vez, as comandadas de José Roberto Guimarães são sempre apontadas como uma das favoritas e esperam chegar novamente à decisão e subir no lugar mais alto do pódio. No entanto, a renovação no elenco da primeira fase permite ao Brasil fazer testes e experiência cujo objetivo é formar um conjunto forte e capaz de lutar pelo ouro em Paris-2024.

O primeiro desafio será diante da Alemanha, em Los Angeles, nos EUA. Às 19h, o Brasil entra em quadra e conta com a liderança da levantadora Macris para somar sua primeira vitória. Eleita melhor jogadora e levantadora da última edição, a experiente jogadora avalia a oportunidade de auxiliar as atletas mais jovens a ganhar rodagem na busca por espaço no time brasileiro.

“É uma alegria vestir a camisa do Brasil. Quero aproveitar a oportunidade de ser uma das mais experientes para auxiliar as jogadoras mais jovens. Estarei sempre junto e à disposição. Também tento aproveitar a energia da juventude para, juntas, encontrarmos a melhor sintonia. Temos que focar sempre no lugar mais alto do pódio e isso faz com que a gente esteja em movimento constante. O nível é alto e a exigência é muito grande”, opinou Macris.

Além de Macris, apenas Roberta e Ana Cristina estiveram na campanha que culminou com a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Tóquio. As centrais Diana e Lorena, a oposta Kisy e a ponteira Karina debutam na seleção feminina principal. Diante da Alemanha, Macris pede atenção, apesar das rivais não serem as principais rivais do torneio.

“Temos um grupo motivado e isso é o mais importante. É fundamental querer estar na seleção brasileira e ter orgulho de vestir a camisa do Brasil. A Alemanha é uma equipe alta que joga com velocidade. Vamos precisar ter muita atenção. Vai ser nossa partida de estreia e muitas jogadoras jovens vão viver isso pela primeira vez. Pelo trabalho que tem sido feito, vamos chegar confiantes. Faz muita diferença quando cada uma se propõe a fazer o seu melhor em função do grupo”, ponderou a levantadora.

Além de Brasil e Alemanha, participam do torneio: Bélgica, Canadá, China, República Dominicana, Itália, Japão, Holanda, Polônia, Sérvia, Coreia do Sul, Tailândia, Turquia e Estados Unidos. A Rússia, devido à guerra com a Ucrânia, foi desconvidada e substituída pela Bulgária.

Confira os jogos da seleção brasileira na primeira fase:

SEMANA 1 - Los Angeles (EUA)

  • 31/05 - 19h - Alemanha x Brasil
  • 02/06 - 16h - Brasil x Polônia
  • 03/06 - 19h - República Dominicana x Brasil
  • 05/06 - 22h - EUA x Brasil

SEMANA 2 - Brasília

  • 15/06 - 21h - Brasil x Turquia
  • 16/06 - 21h - Brasil x Holanda
  • 18/06 - 15h - Brasil x Itália
  • 19/06 - 10h - Brasil x Sérvia

SEMANA 3 - Sofia (Bulgária)

  • 28/06 - 11h - China x Brasil
  • 30/06 - 14h - Coreia do Sul x Brasil
  • 01/07 - 14h - Bulgária x Brasil
  • 02/07 - 10h30 - Brasil x Tailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.