Divulgação/CBV
Divulgação/CBV

Luizomar festeja título da Superliga e reação do Osasco

'Laranja é a cor do trabalho. Essa cor representa uma classe operária muito sofrida', afirma o treinador

AE, Agência Estado

18 de abril de 2010 | 17h06

Depois de bater na trave na temporada passada, o técnico Luizomar de Moura não escondeu as lágrimas ao comemorar o título da Superliga feminina de vôlei, à frente do Sollys/Osasco. A equipe de São Paulo derrotou o Unilever por 3 sets a 2 e interrompeu uma série de quatro títulos seguidos do rival carioca.

"Laranja é a cor do trabalho. Essa cor representa uma classe operária muito sofrida. Quem falou que os garis estavam chegando quando viam nosso time entrar em quadra estava certo. Os garis chegaram e foram campeões", desabafou o treinador, ao se referir à cor do uniforme do Osasco.

Luizomar de Moura, que chegou ao seu segundo título da Superliga, também celebrou a reviravolta na equipe, que quase foi extinta no ano passado, depois de perder a decisão justamente para o Unilever. O Osasco perdeu o patrocínio do Finasa e correu o risco de ficar de fora da Superliga desta temporada. A equipe, porém, acertou com a Sollys, da Nestlé.

"Sabíamos que esse era o nosso ano. Essa é a finalização de uma temporada muito importante. Há exatamente um ano, saíamos do Maracanãzinho cabisbaixos e, três dias depois, recebemos uma notícia ainda pior. Ficamos sem emprego com o fim do nosso time. Mas o grupo quis continuar junto e contamos com o apoio da Nestlé, que retornou ao voleibol. A equipe estava muito determinada, queríamos muito essa conquista", festejou o técnico.

Bernardinho, técnico do Unilever, exaltou o desempenho de suas jogadoras na disputada final deste domingo. "Tivemos a chance, mas elas mostraram ser um grande time. Um 3 a 2 não é demérito nenhum. Estamos, sim, aborrecidos por ter perdido, mas orgulhosos pela luta", afirmou o treinador da seleção brasileira masculina.

A ponteira Érika também ficou satisfeita com a atuação do Unilever, mas reconheceu a superioridade do Osasco. "Provamos ser um grupo de guerreiras. O time lutou até o final, apesar de ter sido uma partida de altos e baixos. Elas foram melhores e souberam decidir no tie break", afirmou. "Temos de reconhecer que Osasco fez uma grande Superliga e foi melhor. A final valeu pela nossa luta", complementou a experiente líbero Fabi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.