Alexandre Arruda/Divulgação
Alexandre Arruda/Divulgação

Mal no Pinheiros/Sky, Gustavo Endres é 'rebaixado' no ranking da CBV

Confederação divulga ranqueamento que visa manter o equilíbrio da Superliga

estadão.com.br

07 de abril de 2011 | 16h11

SÃO PAULO - Campeão olímpico e bicampeão mundial com a seleção brasileira, o meio-de-rede Gustavo Endres não vive um bom momento. Ele fez uma Superliga ruim pelo Pinheiros/Sky (eliminado nas quartas de final) e foi 'rebaixado' no ranking da Confederação Brasileiro de Vôlei (CBV).

Gustavo agora vale seis pontos, em uma escala que vai de um a sete. Com a pontuação máxima estão Bruninho, da Cimed, Giba, Pinheiros, Leandro Vissotto, Lucão e Ricardinho, do Vôlei Futuro, Murilo, do Sesi-SP, Rodrigão, que joga na Turquia, e Dante, que está na Rússia.

No feminino, as sete atletas ranqueadas com sete pontos já tinham essa pontuação na última temporada. São elas: Natália, Thaísa e Jaqueline, do Sollys/Osasco, Fabiana e Paula Pequeno, do Vôlei Futuro, Sheilla e Mari, da Unilever, Fofão, que joga na Turquia, e Walewska, que atua na Rússia.

O ranking serve para manter o equilíbrio da Superliga na temporada 2011/12. No feminino, cada equipe poderá inscrever, no máximo, três atletas com pontuação sete. No masculino, cada time poderá inscrever dois jogadores de sete pontos. Um terceiro atleta com sete pontos só poderá ser inscrito se ele for repatriado. O incentivo ao repatriamento continua. Os jogadores que estiveram atuando no exterior e voltarem a jogar no Brasil, independente da pontuação recebida, seguem valendo zero ponto para a equipe que contratá-los.

Para as demais graduações, a inscrição é livre, desde que respeitada a pontuação máxima por equipe, de 32 pontos.

Para aqueles que permanecerem na mesma equipe da Superliga 2010/11 - mesmo que tenham obtido a pontuação maior para esta nova temporada - prevalecerá os pontos estabelecidos e considerados da temporada anterior. Caso o atleta tenha sua pontuação reduzida, prevalecerá o menor número de pontos.

Estrangeiros. Cada time masculino poderá ter, no máximo, um atleta estrangeiro inscrito. No ranking anterior era permitida a inscrição de dois jogadores de fora do País. Entre as mulheres, o número de estrangeiras que podem ser inscritas permanece o mesmo: duas por equipe.

Tudo o que sabemos sobre:
Superliga de vôleiGustavovôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.