Instagram/ Maurício Souza/ Minas Tênis Clube
Instagram/ Maurício Souza/ Minas Tênis Clube

Minas rescinde contrato com Maurício Souza após série de polêmicas e comentários homofóbicos

Clube tomou a decisão um dia depois de multá-lo e exigir retratação pública do atleta

Paulo Favero, Ricardo Magatti e Sergio Neto, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2021 | 16h18
Atualizado 27 de outubro de 2021 | 17h26

Após uma série de polêmicas envolvendo o jogador de vôlei Maurício Souza, o Minas Tênis Clube anunciou, na tarde desta quarta-feira, 27, a rescisão do contrato com o atleta. Ele até se retratou conforme a diretoria do clube exigiu, mas a pressão de patrocinadores e da opinião pública acabou fazendo com que o fim do vínculo fosse acertado.

O Minas preferiu não comentar o assunto novamente e apenas escreveu a seguinte mensagem em suas redes sociais: "O Minas Tênis Clube informa que o atleta Maurício Souza não é mais jogador do clube."

Maurício Souza havia sido afastado do Minas Tênis Clube na terça-feira, em razão da pressão de patrocinadores do time provocada por uma série de declarações homofóbicas em suas redes sociais. Ele foi multado e orientado a se retratar. De noite, fez uma retratação tímida no Twitter, plataforma que pouco utiliza e na qual tinha menos de 100 seguidores no momento da publicação.

Nesta quarta, voltou a pedir desculpas, desta vez por meio de um vídeo no Instagram onde fizera as postagens preconceituosas, mas novamente de forma protocolar e em muitos momentos se colocando como vítima. Não convenceu a opinião pública, os patrocinadores e o Minas, que anunciou sua dispensa minutos depois de o jogador fazer a publicação.

No vídeo no Instagram, o central passou a mensagem de que não estava arrependido e lamentou por, na sua visão, não poder expressar o que acredita ser a sua opinião.

"Eu vim aqui para pedir desculpas a todos que sentiram ofendidos com a minha opinião, por eu defender aquilo que eu acredito. Não foi minha intenção. Tenho direito a defender aquilo que acredito. Respeito todos, sempre respeitei. Joguei dentro de quadra com vários homossexuais", afirmou o central do time masculino de vôlei do Minas aos seus mais de 339 mil seguidores no Instagram - nas últimas 24 horas ele ganhou milhares de seguidores.

O central reclamou que "não pode mais dar a opinião" e "colocar os valores de família acima de tudo". "Senão a gente é taxado de homofóbico, preconceituoso. Eu não concordo com isso", contestou. "Infelizmente chegamos a esse ponto. Os patrocinadores repudiaram. Não sei o que fiz, se foi algum crime. Se fosse algum crime a polícia já teria vindo aqui em casa me prender. Apenas defendi o que acredito e coloquei a minha opinião", completou.

Ele reconheceu, antes de ser dispensado, que sua situação no Minas era complicada. "Estou passando por dificuldades no time, talvez eu venha a sair por conta de uma opinião", comentou o jogador, que se mostrou confiante em arranjar um novo time antes mesmo de ter seu vínculo rescindido. "Pode ter certeza que vou arrumar outro time para jogar. Não é porque sou bonitinho ou grande. É porque sou competente", argumentou.

Ainda na tarde desta quarta-feira, pouco depois do anúncio do Minas, Maurício foi às suas redes sociais confirmar a notícia. Ele, mais uma vez, reforçou que continuará defendendo aqui que julga ser o certo. "Sigo meu caminho plantando o que acredito, meu legado continua! O que deixarei para meus filhos e netos é o que conta no final", escreveu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.