Divulgação FIVB
Divulgação FIVB

Mundial masculino de vôlei será na Polônia e Eslovênia; Ucrânia substitui Rússia, punida pela guerra

Competição teve sua sede alterada após o conflito armado entre russos e ucranianos; jogos acontecem entre os dias 26 de agosto e 11 de setembro

Redação, Estadão Conteúdo

15 de abril de 2022 | 11h09

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) confirmou nesta sexta-feira que o Mundial masculino será disputado na Polônia e na Eslovênia neste ano. Inicialmente, o torneio seria sediado na Rússia, mas o país perdeu o direito de receber o Mundial por conta da invasão à Ucrânia. Os russos também perderam a vaga no torneio e serão substituídos justamente pelos ucranianos.

A FIVB indicou que outros países também poderão receber jogos do Mundial deste ano, a ser disputado entre agosto e setembro. As outras nações serão anunciadas nas próximas semanas. O Mundial estava sem sede desde 1º de março, quando a entidade tirou da Rússia o direito de receber o grande evento, como retaliação pela invasão da Ucrânia.

"Polônia e Eslovênia são dois dos principais destinos de primeiro nível do vôlei mundial e se ofereceram para receber o evento", explicou a FIVB, em comunicado. "Os dois países já provaram diversas vezes que podem receber os grandes eventos da FIVB e estão muito bem equipados para sediar o Mundial. Gostaria de agradecer às duas nações por terem interesse em sediar o evento", disse o presidente da entidade, o brasileiro Ary Graça.

Com a desclassificação automática da Rússia, a FIVB concedeu vaga à Ucrânia para substituir o ex-anfitrião do evento. De acordo com a entidade, a classificação dos ucranianos não tem relação com a guerra. O país é o mais bem ranqueado na federação entre as seleções que não conseguiram a classificação para o Mundial.

A Rússia é a atual vice-campeã olímpica, enquanto a Polônia é a atual bicampeã mundial. A Eslovênia, por sua vez, alcançou a final da última Eurocopa, disputada em setembro do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.