Marcelo Sayão/EFE
Marcelo Sayão/EFE

Murilo, considerado o melhor jogador do Brasil, deixa o Sesi e admite chateação

Após quatro anos no clube, atleta revela que vai embora triste e que tinha vontade de permanecer

AE, Agência Estado

19 de abril de 2013 | 17h25

SÃO PAULO - O ponteiro Murilo não é mais jogador do Sesi. Nesta sexta-feira, o jogador foi comunicado, em reunião com os dirigentes da equipe, de que não teria seu contrato renovado para a temporada 2013/2014. Com isso, chega ao fim a passagem do atleta, que atuou por quatro anos no time paulista.

Murilo conviveu nos últimos dois anos com dores no ombro direito, que farão com que ele passe por uma cirurgia em 15 dias. Até por isso, e pelo fato de que foi pego de surpresa, o jogador não escondeu a chateação com a decisão dos dirigentes do Sesi.

"Estou triste pela saída, chateado, porque foram quatro anos no Sesi, quatro temporadas de muitas conquistas e muitas alegrias. E minha vontade era permanecer, mas, enfim, preciso me concentrar na operação, em cuidar do ombro para voltar bem na próxima temporada e buscar um novo clube para mim. Essa é a minha prioridade agora", declarou.

No entanto, Murilo preferiu lembrar dos bons momentos que passou no Sesi. "Quero agradecer a todos que estiveram comigo, me ajudaram e torceram por mim, formamos um grupo forte, que conquistou títulos importantes, tenho um carinho especial pelo clube e deixo muitos amigos."

Murilo viveu seus melhores momentos na carreira enquanto estava no Sesi, já que ganhou prêmios individuais de ''melhor jogador'' do Campeonato Mundial 2010 (Itália), ''melhor jogador'' da Superliga 2010/2011 e ''melhor jogador'' das Olimpíadas de Londres, em 2012. Pela equipe, sagrou-se campeão do Campeonato Sul-Americano (2011), campeão da Superliga (2010/2011), tricampeão paulista (2012/2011/2009) e tetracampeão da Copa São Paulo (2012/2011/2010/2009).

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiSesiMurilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.