Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Murilo volta a criticar a CBV após novas denúncias

"O pior é fingirem que esta tudo bem, ou que nada aconteceu", escreveu Murilo, no Twitter, ao compartilhar o link da notícia

Estadão Conteúdo

11 de dezembro de 2014 | 12h17

Um dos mais experientes jogadores da seleção brasileira de vôlei, o ponteiro Murilo voltou a fazer duras críticas à gestão da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) nesta quinta-feira. O jogador cobrou explicações da entidade com relação ao relatório final da Controladoria Geral da União (CGU) sobre as denúncias feitas pelo canal ESPN Brasil ao longo do ano.

"O pior é fingirem que esta tudo bem, ou que nada aconteceu", escreveu Murilo, no Twitter, ao compartilhar o link da notícia publicada no site da ESPN, com detalhes do relatório da CGU. "Por favor não me venham com nota oficial pra comentar sobre a matéria, é hora de dar as caras e se explicar. É de entristecer qualquer um que faz esporte no Brasil!", postou.

A reportagem desta quinta-feira da ESPN cita que o relatório da CGU aponta "contratação de empresas de consultoria sem que se consiga verificar a efetiva contraprestação do serviço; contratação de empresas sem estrutura física e de pessoal; contratação de empresas cujos proprietários são ou foram ligados à CBV; contratação de empresas do mesmo proprietário que executa e audita a prestação de serviço; pagamento de notas fiscais sequenciais que demonstram que a empresa comandada prestava serviço somente para a CBV; pagamento de notas fiscais com descrição genérica do objeto contratado, como ?comissionamento'' ou ?assessoramento''".

O relatório também trata do caso da SMP, empresa de Marcos Pina, ex-dirigente da CBV ligado ao ex-presidente Ary Graça, que a CBV pagou, por "Prospecção de cotas de patrocínio, propriedades e títulos" aproximadamente R$ 3 milhões entre 2012 e 2013. Ainda de acordo com a ESPN, a CGU concluiu que "não há provas da prestação do serviço contratado pela CBV" e que "a empresa não possui infraestrutura física nem pessoal".

Os pagamentos feitos à SMP continuaram mesmo na nova gestão da CBV, comandada por Walter Pitombo Laranjeiras, Toroca. Ainda de acordo com o relatório citado pela ESPN, a empresa recebeu R$ 188 mil em 2014, a título de "assessoria de gestão administrativa esportiva".

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiCBVdenúncias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.