Na chegada ao Rio, Bernardinho pensa no Pan e em trabalho

Mal chegou ao Brasil, no início da manhã desta terça-feira, e o técnico Bernardinho não pára de pensar em trabalho. Já no saguão de desembarque internacional do Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro, o treinador da seleção brasileira de vôlei masculino, bicampeão mundial no Japão, foi logo dizendo quais são seus planos para o futuro. "De imediato, recomeço meu trabalho amanhã (quarta) no Rio de Janeiro", afirmou Bernardinho, se referindo ao time feminino que disputará a Superliga Nacional.Com a seleção, a motivação maior para a temporada 2007, que terá cinco competições no calendário, será a tentativa de ganhar a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em meados de julho. "Eu tenho o ouro no Pan, tanto como jogador como técnico (em 1999, em Winnipeg - Canadá -, com a equipe feminina). Mas essa geração vitoriosa não tem e quer o ouro. Claro que os outros torneios são importantes, mas o Pan é especial", contou. Há quatro anos, na República Dominicana, o time masculino perdeu na semifinal para a Venezuela e ficou com o bronze.As outras competições que Bernardinho se refere são o Sul-Americano, a Copa do Mundo, a Liga Mundial e a Copa América. Além da tentativa de conquistar o sétimo título da Liga Mundial, Bernardinho destaca outros dois torneios. "O Sul-Americano é importante porque dá vaga para a Copa dos Campeões, no japão, que dará três vagas para a Olimpíada. Será a nossa primeira chance de se garantir em Pequim", analisou.O que o treinador não quis fazer foi uma relação entre o título mundial do vôlei e a derrota da seleção brasileira de futebol na Copa do Mundo da Alemanha, em julho. "Isso é momento. O futebol é pentacampeão e nós também já perdemos em um Mundial. O brasileiro, como todo latino, vive de altos e baixos. Temos é que trabalhar muito para ganhar sempre. Não tem segredo", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.