FIVB
FIVB

Na Malásia, duplas masculinas do Brasil buscam vaga no Mundial de Vôlei de Praia

Recém-formadas, parcerias brasileiras utilizarão a etapa como forma de alavancar as posições no ranking

Redação, Estadão Conteúdo

30 de abril de 2019 | 10h50

As duplas masculinas de vôlei de praia do Brasil terão nesta semana a última disputa antes da definição de quem representará o País no Mundial da modalidade. Depois de passar pela China na semana passada, o Circuito Mundial desembarca na Malásia, onde, a partir desta quarta-feira, acontece a etapa três estrelas de Kuala Lumpur.

Apesar de não contar para a corrida olímpica por uma vaga nos Jogos de Tóquio-2020, a competição será a última antes da divulgação da lista das duplas classificadas para o Mundial, que acontecerá em Hamburgo, na Alemanha, entre 28 de junho e 7 de julho.

O anúncio dos classificados será no dia 6 de maio, utilizando o ranking após a etapa na Malásia. De olho em uma das vagas ainda em aberto, três duplas brasileiras participam da chave principal do evento: Alison/Álvaro Filho, André Stein/George e Thiago/Oscar.

Recém-formadas, as duplas brasileiras utilizarão a etapa como forma de alavancar as posições no ranking. É o caso de Alison e Álvaro Filho, que ficaram na nona posição em Xiamen, na China, e garantiram 400 pontos. Em Kuala Lumpur, as parcerias vencedoras em cada naipe receberão 600 pontos.

"Toda etapa do Circuito Mundial é importante. Sempre aparecem grandes times e nós queremos representar o Brasil da melhor forma frente aos adversários dos Estados Unidos, da Ásia e da Europa. O nosso principal objetivo é continuar os ajustes no entrosamento da dupla, no modo de jogar. O resultado, chegar ao pódio ou não, é uma consequência deste trabalho", disse o paraibano Álvaro Filho.

Esta será a segunda vez na temporada que a Malásia recebe uma etapa. No início deste mês, a cidade de Langkawi foi sede de um torneio de uma estrela entre os dias 11 e 14.

Tudo o que sabemos sobre:
vôlei de praiavôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.