Washington Alves/Inovafoto/CBV
Washington Alves/Inovafoto/CBV

'Ninguém tem explicação cabível para o ranking', diz levantador

Atleta do Sada-Cruzeiro diz que argumentos dos dirigentes não o convencem

Entrevista com

William

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2017 | 17h00

Qual é sua posição sobre ranking?

O problema é que o ranking acaba impedindo os atletas de trabalharem onde quiserem, entra na questão trabalhista de não poder ir e vir. As pessoas querem ver os jogadores de ponta, isso atrai público. Mas você cria uma regra dessa e é possível que alguns tenham de sair do País, como foi o caso do Leandro Vissotto. Alguns clubes perderam atletas de nível por causa do ranking, espero que repensem isso. 

Por que as equipes decidiram manter o sistema?

Questionei alguns dirigentes e, sinceramente, ninguém conseguiu me convencer. Ninguém tem uma explicação cabível para que o ranking seja uma boa regra aplicada. O maior prejudicado é o jogador. Não sei se o clube se importa muito com isso, parece que não.

Vocês vão procurar a Justiça?

A gente está estudando um pouco mais o caso, mas acredito que, no fim, isso vai acontecer. Precisamos estreitar bem a linha de raciocínio e ver qual é a melhor maneira para ter uma base sólida.

No caso do masculino, o impacto desse sistema de pontos é maior?

Todos são afetados. Um clube talvez não possa contratar um jogador de nível médio porque já estourou a somatória de 40 pontos e esse atleta acaba desempregado ou tem de jogar em time menor.

 

Tudo o que sabemos sobre:
VôleiVôleiWilliamCruzeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.