Osasco ganha CT para revelar jogadoras de vôlei e basquete

Banco Bradesco investirá R$ 12,6 milhões para construir um centro esportivo até o final deste ano

Heleni Felippe, O Estado de S. Paulo

14 de abril de 2008 | 23h39

Um inédito centro de treinamento particular, para formar jogadoras garimpadas no basquete e vôlei feminino, será construído em Osasco (SP), pelo Bradesco, com investimento de R$ 12,6 milhões, até o fim do ano. As jogadoras da Finasa/Osasco, equipe que está na decisão da Superliga Feminina de Vôlei - jogam sábado, contra o Rexona-Ades -, não utilizarão o local. E o projeto social do banco, com escolinhas para 3 mil meninas, também continua funcionando, mas em outros núcleos. Assim, o novo centro de treinamento será exclusivo para as jogadoras escolhidas formarem uma base de competição. O terreno (de 9.980 metros quadrados), no bairro Cipava, cedido pela Prefeitura de Osasco por 30 anos, vai abrigar a infra-estrutura para 173 meninas, de 13 núcleos especialistas - times de todas as categorias de base, de iniciantes a juvenil, de basquete e vôlei. A meio-de-rede Adenízia é um dos exemplos de atleta que passaram pelas categorias de base desse trabalho em Osasco. Está no projeto desde os 14 anos. Agora, aos 21, é a melhor bloqueadora da Superliga, depois de ter sido reserva do time principal por dois anos. "Podemos dar espaço para que grandes atletas do vôlei permaneçam no Brasil, como Paula Pequeno, Carol e Elisângela, e a oportunidade de promover talentos, como Natália e Adenízia", afirmou Celso Barbutto, responsável pelo projeto. "Vamos formar jogadoras para outros times, mas é assim mesmo, elas têm de jogar." O projeto esportivo-social do Bradesco, que começou com o time de basquete da Unimep, de Piracicaba (com patrocínio do BCN), faz 20 anos nesta terça-feira e, na comemoração, será exibida a maquete do novo centro de treinamento em Osasco. "O projeto de esportes tem múltiplas facetas. Para atender a tudo temos apartamentos alugados (moradia), uma casa como refeitório, fisioterapia no Ginásio José Liberatti, musculação na Cidade de Deus, treinos no Sesi. A vantagem é agrupar as atividades", explicou Celso Barbuto.  O arquiteto Ricardo Julião é o autor do projeto do novo centro de treinamento em Osasco. Nele, são 3 quadras (que viram 6), uma com arquibancada, mais apartamentos, refeitório, salas para musculação, fisioterapia, TV e estudos, piscina e jardim. O banco destina R$ 12 milhões por ano (R$ 2,8 milhões vem de isenção de imposto de renda) no Programa de Esportes. No CT em Osasco, investirá R$ 15,820 milhões - 1% do abatimento do IR devido, aplicado no Fundo Municipal do Direito da Criança e Adolescente de Osasco (80% para a obra, 20% para outros projetos).

Tudo o que sabemos sobre:
Finasa/OsascoSuperliga Feminina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.