Divulgação/CBV
Divulgação/CBV

Para Bernardinho, será difícil Brasil repetir domínio no vôlei

'Estamos nos momentos iniciais da formação de uma nova equipe', reforça o técnico, que aponta favoritos

EFE

21 de julho de 2009 | 10h00

O técnico Bernardinho acredita que será muito difícil a seleção brasileira repetir o desempenho dos últimos oito anos, quando reinou quase que absoluta no vôlei mundial.

Veja também:

linkBrasil, Argentina e Cuba medem forças na Liga Mundial

linkBrasil chega à Sérvia para a fase final da Liga Mundial

Em declarações diretamente de Belgrado, onde a seleção disputará a fase final da Liga Mundial entre quarta e domingo, o treinador disse que a situação "nunca voltará".

"É impossível repetir esse Brasil dominador, vencedor e quase invencível. Foi uma época especial, em que comissão técnica e elenco conviveram com poucas mudanças e lesões durante oito anos. Essa foi a chave do nosso sucesso", apontou.

Agora com jogadores e ânimo renovados, Brasil chega à fase final da Liga Mundial sem ser a grande favorita, mas com o respeito dos demais rivais.

"Estamos nos momentos iniciais da formação de uma nova equipe, composta por alguns veteranos e outros jovens que não tinham lugar na equipe anterior. Acho que Rússia e Estados Unidos têm grandes seleções atualmente e precisamos ter muito cuidado com Cuba, que tem jovens de grande projeção", explicou.

"Outro de nossos problemas é que estamos há pouco tempo juntos, e Giba acaba de se juntar ao elenco. Nosso nível é uma incógnita e esse é nosso objetivo: enfrentar os melhores neste momento para ver onde estamos", completou.

O treinador falou sobre a ausência do ponta Dante, que pediu dispensa por problemas particulares e deverá estar à disposição apenas para o Campeonato Sul-Americano, em setembro. "Esperamos que ele possa voltar conosco em breve porque precisamos de seu talento e experiência", afirmou.

Bernardinho disse que um dos desafios com esta nova equipe é pegar experiência em quadra. "Antes jogávamos quase que automaticamente e agora é preciso tentar adquirir esses automatismos, mas ainda não tivemos tempo para isso", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.