Para jogadoras, faltou experiência ao São Caetano

Após uma campanha com muitos altos e baixos, o São Caetano/Blausiegel (SP) não conseguiu atingir seu principal objetivo na Superliga feminina de vôlei: chegar até a decisão. Na última terça, foi eliminado da competição ao ser superado fora de casa pela Finasa/Osasco (SP) na semifinal. Agora, disputa o terceiro lugar contra o Brasil Telecom (SC) na sexta.

RAFAEL VERGUEIRO, Agencia Estado

15 de abril de 2009 | 18h09

"Acho que faltou mais confiança, o grupo delas é mais experiente, o nosso não está muito acostumado com decisões. No geral, o time jogou muito mal", destacou Sheilla, campeã olímpica com a seleção brasileira nos Jogos Olímpicos de Pequim.

Ao lado de Mari e Fofão, ela foi repatriada no início da Superliga. O objetivo do time do ABC paulista, ao trazer estas estrelas, era se "intrometer" na hegemonia de Osasco e Rexona/Ades (RJ), que decidirão o torneio pela quinta vez consecutiva.

Além das medalhistas de ouro em Pequim, o São Caetano conta com outras atletas de bom potencial, como a líbero Suellen e Andréia. No entanto, a falta de experiência das jovens jogadoras pesou na hora decisiva.

"Faltou tudo, passe, levantamento, defesa, bloqueio, não tem como explicar. A gente jogou muito mal, não lembro de um jogo tão ruim como este na Superliga. Nunca vi nada parecido", lamentou Mari após a partida contra a equipe de Osasco.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiSuperliga femininaSão Caetano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.