Paulista de Vôlei começa nesta quinta

Dois clubes de futebol, a Ponte Preta, de Campinas, e o Rio Branco, de Americana, além do Tênis Clube Nova Construção, de São José dos Campos, são as novidades do Campeonato Paulista, a partir desta quinta-feira. A partida de abertura será entre MRV Ponte Preta e BCN Osasco, às 20h30 (com SporTV), em Osasco. A edição masculina terá início sábado, com o confronto entre Banespa e Adep Mogi das Cruzes, às 20 horas, na capital.No total, 14 equipes disputarão o título estadual: além do BCN, MRV e Tênis Clube, que subiu para a divisão especial, o feminino terá Blue Life Pinheiros, São Caetano e Santo André. No masculino, os times são: Rio Branco, Adep Mogi das Cruzes, Banespa, Suzano, São Caetano Vila São José, Lupo Náutico, Palmeiras Guarulhos, Shopping ABC Santo André.A Ponte Preta, essencialmente amadora quando o assunto não é futebol, "ganhou de presente" um time profissional: o MRV, campeão da temporada passada. "É melhor começar assim, aos poucos, diferente do Vasco", disse o supervisor Felipe Passarini, de apenas 24 anos. O MRV, que na Superliga voltará a representar o Minas Tênis Clube, de Belo Horizonte, disputa o Paulista pela quinta vez consecutiva (Clube Fonte de Campinas, Sorocaba, Itu e São Bernardo) desde 1997. "Ainda estamos quebrando tabus em um clube essencialmente de futebol. Quem sabe um dia poderemos ter uma equipe nossa de vôlei."Passarini, ex-técnico da seleção brasileira de hóquei in line, está cursando o primeiro ano da faculdade de Administração de Empresas na ESPM, explica que há dois anos o clube voltou a descobrir os esportes "amadores" - a Ponte Preta teve um time de basquete imbatível na década de 90, com Hortência, Paula e Karina. "Não pagamos salários, mas oferecemos toda a infra-estrutura, inclusive com departamento médico, para vários esportes como o tae kwon do, hóquei, tênis, braço de ferro, além do vôlei." O investimento, segundo ele, é de R$ 100 mil por ano. "Muitas vezes, os atletas vendem pizza para conseguir competir."O Rio Branco também herdou uma equipe de vôlei inteirinha. A diferença, porém, é que o clube, que só empresta o nome para a equipe bancada essencialmente pela Prefeitura de Americana, pode continuar na elite do esporte. "Nosso time foi formado com as categorias de base", esclarece o supervisor Luciano Santos. De acordo com ele, o clube esteve na elite até 1984. Em 1999, obteve o direito de voltar à divisão especial, mas abriu mão da vaga porque não tinha patrocínio. Pelo menos para o Paulista terá a parceria da Carioba II, um consórcio de empresas geradoras de energia (Shell, Companhia Paulista de Força e Luz e Intergem), que espera licença ambiental para construir uma usina termoelétrica em Americana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.