Pela quarta vez no ano, Rexona e Osasco decidem título

As duas equipes disputam o título mais uma vez, agora do quarto torneio da Superliga feminina desta temporada

Agência Estado

21 de março de 2008 | 14h59

Comprovando o domínio que exercem no vôlei feminino brasileiro, Rexona-Ades (RJ) e Finasa/Osasco (SP) decidem neste sábado o quarto e último torneio da fase de classificação da Superliga. O confronto está programado para começar às 10 horas, no Ginásio José Liberatti, em Osasco.O Osasco ficou com o título do primeiro e do terceiro torneios, enquanto o Rexona ganhou o segundo. A disputa destes torneios vale pouca coisa, apenas dois pontos na classificação geral da Superliga para o campeão - o vice leva um. Mas no caso da decisão deste sábado, por ser a última antes dos playoffs, será fundamental para ver quem termina na frente.O time de Osasco lidera atualmente a classificação geral da Superliga, com 39 pontos, um a mais do que o Rexona. E quem terminar na frente terá a vantagem de decidir o título da competição em casa - caso chegue até lá, depois das quartas-de-final e semifinal -, na final que será disputada num único jogo, marcado para o dia 20 de abril.O Rexona é o único tetracampeão da história da Superliga - venceu em 97/98, 99/00, 05/06, 06/07 - e chega à decisão deste sábado ainda invicto no quarto torneio, já que venceu os quatro jogos que fez nesta fase. O Osasco também ganhou as quatro partidas até chegar nesta final e mantém a busca pelo seu quarto título na competição - venceu em 02/03, 03/04 e 04/05."O time tem evoluído durante a competição, a partir do entrosamento. Uma prova disso é a campanha no quarto torneio, no qual o Finasa/Osasco não perdeu um set. A vitória não vale apenas o título desse quarto torneio. A equipe que vencer, além da vantagem nas quartas-de-final e na semifinal, caso se classifique, terá o mando de quadra na final", lembrou a levantadora Carol Albuquerque, do time paulista."Temos treinado bastante em busca da regularidade e de um maior equilíbrio, para que o time não tenha tantos altos e baixos. É preciso ter paciência de maneira que os erros diminuam. Precisamos evoluir muito ainda. Terminar a fase classificatória na frente é importante, pois o mando de quadra pode ser decisivo na final", afirmou a oposta Renatinha, do Rexona.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.