EFE<br>
EFE

Polonês 'matador' acaba com o Brasil e se consagra no Mundial

Oposto Mariusz Wlazly foi o maior pontuador da competição com 233 pontos e grande carrasco para o vice-campeonato brasileiro

Felippe Scozzafave, O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2014 | 11h00

O Brasil foi derrotado pela Polônia na final do Mundial de Vôlei masculino, neste domingo, ficando assim com o vice-campeonato no torneio disputado na casa do rival. Além do apoio da torcida, um fator em especial foi crucial para o triunfo dos poloneses: o oposto Mariusz Wlazly. O atleta, eleito MVP da competição, foi um verdadeiro tormento para os adversários e terminou o Mundial com 233 pontos, 19 a mais do que o segundo colocado entre os "artilheiros".

Aos 31 anos de idade, Wlazly atingiu o auge da sua carreira justamente durante o torneio, que terminou com o seu país como campeão depois de 40 anos de jejum. Ele foi o grande "escape" da equipe e, dos seus 233 pontos na competição, 199 foram em ataques, 14 em bloqueios e 20 em saques, arma bastante utilizada pelo time polonês. Quem ficou em segundo entre os maiores pontuadores foi o francês Antonin Rouzier, com 204, seguido pelo alemão György Grozer, peça-chave na campanha que resultou em uma medalha de bronze para o seu país. Ele anotou 193 pontos, sendo 26 apenas de saque, o melhor nesta categoria em toda a competição.

Em quarto, está o jovem e explosivo Earvin Ngapeth, da seleção francesa, autor de 188 pontos nos 13 jogos que a França disputou no Mundial. E só aí, na quinta colocação, é que aparece um brasileiro. O ponta Lucarelli, um dos representantes da nova geração do vôlei brasileiro, foi o maior pontuador da equipe de Bernardinho na competição, com 173 pontos. Apesar de o Brasil aparecer apenas em quinto na lista, fato é que o time brasileiro foi quem trabalhou melhor como uma equipe durante o Mundial, pois Lucão e Wallace também aparecem em destaque na lista, com 139 e 129 pontos, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.