Alexandre Arruda/CBV
Alexandre Arruda/CBV

Por suposto desvio de verbas, ex-levantador Ricardinho tem contas bloqueadas no Paraná

A ação foi proposta pelo MP em função de dois eventos de vôlei financiados pela prefeitura de Maringá em 2014

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2018 | 09h19

O ex-jogador de vôlei Ricardinho teve contas bancárias e quatro automóveis bloqueados em um processo por suspeita de desvio de recursos da Prefeitura de Maringá-PR.

O bloqueio, que atinge as contas de Ricardinho, da sogra dele, Maria do Carmo Panza, do advogado Rogério Rodrigues e da Maringá Vôlei, empresa presidida pelo ex-atleta de 43 anos. O bloqueio foi determinado pela 2ª Vara da Fazenda Pública de Maringá.

A ação foi proposta pelo Ministério Público (MP) em função de dois eventos de vôlei financiados pela prefeitura de Maringá em 2014: a Liga Mundial de Vôlei (foram dois jogos da Seleção Brasileira contra a Polônia) e da Copa do Brasil de Vôlei. Os eventos custaram R$ 880 mil ao município. A empresa Vôlei Brasil Centro de Excelência, mais conhecida pelo nome fantasia, Maringá Vôlei, presidida por Ricardinho, foi a organizadora do evento por indicação da Confederação Brasileira de Vôlei. Os eventos custaram R$ 880 mil ao município, mas foram comprovados apenas R$ 204 mil pela empresa, de acordo com o MP.

A acusação aponta que R$ 255 mil foram direcionados para as contas bancárias privadas de Ricardinho e da sogra dele. O advogado estaria envolvido por ter sacado R$ 550 mil repassados pela prefeitura em espécie. Procurado pelo Estado, o ex-levantador afirmou que vai se pronunciar por meio de uma nota à imprensa. O escritório de advocacia que defende o Maringá Vôlei informou que ainda não foi notificado do bloqueio das contas.

Com uma carreira de sucesso na seleção brasileira, que inclui a conquista de um ouro olímpico e dois títulos mundiais, Ricardinho anunciou sua aposentadoria das quadras em julho aos 43 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Maringá [PR]Ricardinhovôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.