Arquivo/AE
Arquivo/AE

Prefeitura tenta manter time de vôlei feminino em Osasco

Objetivo é não deixar que equipe se transfira para outra cidade; Botafogo e Barueri mostraram interesse

Daniel Brito - Jornal da Tarde,

23 de abril de 2009 | 15h18

As tentativas de Botafogo e da cidade de Barueri de contratar todas as jogadoras do extinto Finasa/Osasco (SP) para formar uma nova equipe de voleibol feminino fizeram a Prefeitura de Osasco se movimentar nesta quinta-feira. A intenção é manter a equipe na cidade para a disputa dos próximos torneios, principalmente a Superliga 2009/2010.

Veja também:

linkSão Caetano anuncia manutenção da equipe feminina de vôlei

linkSem time, Paula Pequeno quer continuar no vôlei brasileiro

linkBotafogo tenta contratar time de vôlei do Finasa/Osasco

O prefeito de Osasco, Emídio de Souza, passou toda a manhã reunido com diretores do Bradesco na cidade da Grande São Paulo. A intenção é convencer o banco a manter o patrocínio ao time adulto, mesmo que o valor do investimento seja diminuído (no ano passado, a verba gasta foi de R$ 12 milhões).

"Acredito que a diretoria da Finasa esteja ponderando seriamente a possibilidade de reconsideração", afirmou o prefeito, em entrevista coletiva concedida após a reunião. "A dimensão que a repercussão negativa tomou também causou impacto neles."

Se a iniciativa der certo, o Osasco conseguirá manter na cidade uma equipe de alto nível, que conta com quatro campeãs olímpicas nos Jogos de Pequim: Carol Albuquerque, Paula Pequeno, Sassá e Thaísa.

ALTERNATIVA

Mas, caso se encerre mesmo a parceria de 13 anos com a Finasa na equipe adulta do Osasco, Emídio de Souza garante que vai buscar novos patrocinadores para manter o projeto. "A preferência é pela Finasa", explica. "Pedi que a empresa fosse breve na resposta para preservar o time de desmantelamento", acrescentou.

O primeiro interessado a se manifestar publicamente foi o Botafogo, do Rio. O clube carioca quer ampliar sua estrutura para atletas de alto rendimento, visando à possibilidade de os Jogos Olímpicos de 2016 ocorrerem no País. O coordenador de esportes olímpicos, Miguel Ângelo da Luz, porém, já admitiu que o clube não tem condições de bancar sozinho os investimentos nas atletas e depende de parcerias com empresas.

A Prefeitura de Barueri é outra que mostrou interesse e já procurou o técnico Luizomar de Moura, que treinava o time de Osasco, para iniciar as negociações. O acerto, porém, também depende da chegada de um patrocinador. (Com O Estado de S. Paulo)

(Atualizada às 20h51)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.