Felipe Christ/Divulgação - Vôlei Amil
Felipe Christ/Divulgação - Vôlei Amil

Reforçado, time campineiro quer romper mesmice da Superliga feminina

Vôlei Amil contrata Natália e Tandara, da seleção brasileira, além de Kristin Richards, da seleção norte-americana

Alessandro Lucchetti, O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2013 | 15h53

CAMPINAS - O ginásio Jarbão, em Campinas, recebeu mais de 50 mil pessoas desde a criação da equipe feminina Vôlei Amil, treinada pelo três vezes campeão olímpico José Roberto Guimarães. Nesta temporada, a tendência é que mais gente se desloque para lá. Montado pouco antes do início da temporada, quando as principais jogadoras já estavam contratadas, o time desbancou o Sesi e foi vice-campeão paulista, atrás do Sollys/Osasco. Na Superliga, ficou em terceiro lugar, novamente atrás da equipe de Osasco e da Unilever, que foi campeã.

Nesta temporada, reforçado com a contratação das ponteiras Natália e de Tandara, da seleção brasileira, além de Kristin Richards, da seleção norte-americana, o time suscita otimismo em Zé Roberto, que desta vez pôde montar a equipe conforme seus planos.

"Nunca falo em ganhar campeonato. Mas penso que podemos ter como meta chegar à final do Paulista e da Superliga. Todos os anos temos a mesma final da Superliga (Unilever x Osasco) e precisamos quebrar essa escrita. Sabemos da dificuldade, porque são duas grandes equipes. Espero que no futuro a gente represente o Brasil no Mundial de Clubes", disse Zé Roberto, na apresentação da equipe à imprensa, em Campinas.

Zé Roberto diz que procurou montar a equipe com os atributos que caracterizam uma moderna equipe de vôlei. "Na última temporada nossa equipe era basicamente de ataque. Agora termos jogadoras capazes de dar um volume de jogo bastante grande, com bastante defesa, bloqueio e velocidade".

Na temporada passada, Zé Roberto apostou em Fernandinha, tanto para o Vôlei Amil como para a seleção que foi para a Olimpíada de Londres. Hoje, a levantadora  do time campineiro é Claudinha, que estava no Minas Tênis.

Revelada pelo Corinthians, após ser aprovada numa peneira, a levantadora de 25 anos está sendo trabalhada há algum tempo pela comissão técnica da seleção. Ela permaneceu por dois anos na seleção de novos, e foi relacionada para os dois torneios internacionais do início do mês (Montreux Volley Masters e Alasso) como terceira levantadora.

"Tenho plena consciência de que minha responsabilidade será muito grande, e me comprometo a fazer o melhor. Trabalhei com essa comissão técnica na seleção de novos e o trabalho é o mesmo. O Zé Roberto está me fazendo crescer como levantadora".

O Vôlei Amil passou por uma ampla reformulação. Apenas cinco atletas permaneceram: Walewska (central), Ju Nogueira, Rosamaria, Pri Heldes e Rose.   

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiSuperliga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.