FIVB/Site oficial
FIVB/Site oficial

Renan minimiza erros do Brasil e exalta a Itália: 'Fizeram uma partida brilhante'

Treinador da seleção masculina de vôlei elogia adversário após derrota por 3 sets a 2, pela Liga das Nações

Estadão Conteúdo

26 de maio de 2018 | 16h30

O técnico Renan Dal Zotto evitou fazer críticas ao desempenho da seleção brasileira masculina de vôlei na derrota deste sábado por 3 sets a 2 para a Itália, pela segunda rodada da Liga das Nações. O treinador preferiu destacar o grande jogo feito pelo adversário.

+ Acompanhe as notícias do vôlei!

"A Itália fez uma partida brilhante. Nos poucos momentos em que conseguimos forçar o saque, eles souberam jogar com bolas altas. Agora vamos rever esse jogo para saber onde temos que melhorar. Um ponto é o sistema de bloqueio e defesa, que precisa evoluir. Sabíamos que eles não enfrentam o bloqueio, que entram explorando, e são coisas que temos que ajustar", disse Renan.

O Brasil vinha de uma grande vitória na estreia por 3 sets a 0 sobre a Sérvia. No entanto, jogando novamente em Kraljevo, na Sérvia, a equipe dirigida por Renan perdeu por 25/18, 19/25, 21/25, 26/24 e 8/15.

O central Maurício Souza comentou a oscilação da equipe de um jogo para o outro. "Nós jogamos muito bem ontem (sexta-feira), contra o time da Sérvia, o nosso saque funcionou, e hoje não fomos tão bem. Esse é um campeonato muito longo e a nossa seleção precisa de todos os jogadores. Esse revezamento é natural, são trocas que fazem parte para dar ritmo de jogo a todo mundo", analisou.

O treinador da seleção brasileira começou a partida com uma formação diferente do jogo anterior, com Bruninho, Evandro, Lucão, Isac, Maurício Borges e Douglas Souza, além do líbero Thales. Ao longo da partida, Renan fez alterações e também participaram Léo, Lipe, Maurício Souza William e Wallace.

Renan ainda falou sobre o fato de a seleção brasileira ter levado a partida para o tie break e, assim, ter somado um ponto na classificação geral, enquanto os italianos fizeram dois - agora o Brasil soma quatro pontos.

"Pontuar é sempre bom, só que nós queremos vencer. Jogamos para isso. Claro que quando mexemos na estrutura do time, é preciso ajustar algumas peças. A partir do quarto set, decidimos colocar em quadra os jogadores que começaram ontem, mesmo com o cansaço, não só pela intensidade do jogo, mas pelo lado emocional", concluiu Renan Dal Zotto.

O Brasil volta à quadra neste domingo, novamente às 11h (de Brasília), contra a Alemanha, no último jogo da primeira rodada. Na segunda semana da Liga das Nações, a seleção irá atuar em casa, em Goiânia. Enfrentará Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos, nos dias 1, 2 e 3 de junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.