Rexona vence outra, e Brasil Telecom perde na Superliga

Equipe do Rio de Janeiro supera em casa o Minas Tênis Clube por 3 a 0, com parciais de 25/14, 25/18 e 25/19

Agencia Estado

10 de dezembro de 2008 | 23h01

Numa reedição da final do primeiro turno da Superliga feminina de vôlei deste ano, o Rexona/Ades (RJ) derrotou o Minas Tênis Clube (MG) por 3 sets a 0, com parciais de 25/14, 25/18 e 25/19, nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro, pela quarta rodada do segundo turno da competição. Com mais essa vitória, a equipe carioca manteve a invencibilidade na temporada e garantiu a liderança isolada na classificação geral. "Esta vitória foi mérito de todo o grupo. O saque e o passe foram precisos. Isso é fruto de muito treino e trabalho. A cada jogo, o Rexona está evoluindo, aos poucos, ganhando um perfil próprio nesta Superliga", declarou a meio-de-rede Carol Gattaz, eleita a melhor jogadora da partida.Pelo Minas, a líbero Verê lamentou a apatia da equipe no início do jogo. "Entramos muito relaxadas na partida. Parecia que não estávamos acreditando na nossa equipe. Mas quando vimos que se forçássemos mais o jogo, podíamos equilibrar o jogo, melhoramos em quadra. Mesmo assim, prevaleceu a superioridade técnica do Rexona".Também nesta quarta, o Brasil Telecom (SC), vice-líder da tabela, foi derrotado pelo Pinheiros/Mackenzie (SP) por 3 sets a 2 - 20/25, 25/13, 19/25, 25/14 e 8/15 - em casa. A vitória deixou a equipe paulista à frente das catarinenses na classificação. Em Belo Horizonte, o Mackenzie/Cia. Do Terno (MG) bateu o Sport/Maurício de Nassau (PE) por 3 sets a 0, com parciais de 25/14, 25/22 e 25/16, e segue na parte intermediária da tabela. Na cidade de Pomerode, em Santa Catarina, o Medley/Banespa (SP) superou o Cativa/Pomerode (SC) por 3 sets a 2 - 25/16, 25/21, 24/26, 22/25 e 15/7.No último jogo da noite, o Vôlei Futuro derrotou o Praia Clube/Futel também por 3 a 2, com parciais de 25/22, 21/25, 21/25, 25/17, 15/11, em Araçatuba. A vitória deixou o Vôlei Futuro mais distante da parte inferior da tabela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.